Escolha as suas informações

Covid-19. Governo mantém reabertura das escolas mas 23700 pessoas são contra
Luxemburgo 3 min. 01.05.2020

Covid-19. Governo mantém reabertura das escolas mas 23700 pessoas são contra

Covid-19. Governo mantém reabertura das escolas mas 23700 pessoas são contra

Luxemburgo 3 min. 01.05.2020

Covid-19. Governo mantém reabertura das escolas mas 23700 pessoas são contra

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
Nas crianças com menos de 6 anos "devem ser os pais a decidir " o regresso à Escola, defende RNP. Ministro diz que "recomeço não pode ser deixado à escolha dos pais".

A reabertura das escolas a partir de 4 de maio continua a gerar polémica entre os pais e governo, no Luxemburgo. As duas petições contra este regresso “cedo demais” dos alunos que estão a decorrer no Luxemburgo reuniam 23 716 assinaturas, até às 9h30 desta manhã, de dia 1 de maio. De salientar que apenas uma, a petição 1550 é oficial e irá levar o assunto a debate com o ministro da Educação, Claude Meisch.

Também a Representação Nacional de Pais do Luxemburgo (RNP) se continua a manifestar contra a obrigatoriedade das crianças com menos de seis anos regressarem à escola. 


“Pais é que devem decidir se filhos até seis anos regressam à escola em maio”
O presidente da Representação Nacional de Pais do Luxemburgo já apresentou esta medida ao ministro da Educação. Há uma nova petição contra a reabertura das escolas a decorrer no site oficial.

Em seu entender, a decisão do regresso às creches e escolas “deverá caber aos pais destes pequenos alunos”.  Os pais deveriam ter a liberdade de escolher se as crianças continuam em casa ou voltam à escola, como declarou ao Contacto Alain Massen, presidente da RNP. Clique aqui para ler o comunicado da RNP em português.

Contudo, o ministro da Educação mantém-se firme na sua decisão de manter o calendário estipulado com o regresso gradual dos estudantes entre 4 de maio e o dia 25 de maio, como escreve a RTL. E nem a proposta da RNP, um órgão consultivo do governo, parece sensibilizar Claude Meisch.

"Recomeço para todos os alunos", diz ministro

“O recomeço aplica-se a todos os alunos e não pode ser deixado à escolha dos pais”, vinca o porta-voz do ministério da Educação à RTL. A exceção aplica-se aos alunos vulneráveis que poderão continuar os seus estudos em casa "mediante a apresentação de um certificado médico”.

Questionado sobre esta afirmação contundente do ministro da Educação, Alain Massen afirma ao Contacto que a RPN mantém a sua opinião: “O Governo deveria claramente deixar a escolha aos pais das crianças com menos de 6 anos. E isto para o resto do ano letivo. Porque com o sistema de grupos alternados, isto significa, apenas três semanas para cada criança”.


Covid-19. 6000 estudantes vão ser testados para o regresso às aulas
O ministro da Educação apelou aos alunos a voluntariarem-se para os testes de despistagem que já decorrem. E também aos professores. Em prol da segurança sanitária nas escolas.

Alain Massen alerta que “estas crianças não poderão cumprir todas as regras de saúde e segurança que serão necessárias para evitar o risco de contribuir para uma segunda vaga de infeções”.

Em Portugal, pais escolhem 

Em Portugal, são de facto, os pais dos alunos que frequentam a creche que decidem se os filhos continuam em casa ou voltam aos estabelecimentos escolares no dia 18 de maio. O anúncio foi feito ontem, quinta-feira, pelo primeiro-ministro António Costa numa comunicação ao país sobre as medidas de desconfinamento gradual.

Nas creches, “o apoio familiar será mantido até 1 de junho para dar confiança às famílias", indica o plano oficial do desconfinamento em Portugal. Isto significa que os pais que optem por manter os seus filhos destas idades, em casa, irão continuar a receber o apoio dado pelo estado até ao início de junho, data final do regresso destes meninos às creches.


Minister Claude Meisch möchte den Eltern Hilfestellung geben beim Umgang mit den digitalen Medien. / Foto: Frank WEYRICH
Min. da Educação "está a consultar vários parceiros sobre reabertura das escolas"
A monitorização da capacidade dos hospitais vai continuar durante o processo de desconfinamento. Caso “alguma barreira seja ultrapassada podem voltar a fechar” parte dos setores económicos, diz um especialista do Ministério da Saúde.

23 716 são contra a medida 

Os pais de todos os estudantes do Grão-Ducado continuam divididos nesta matéria. Pelo menos 23 716 já manifestaram ser contra a reabertura das escolas em maio. Para 6417 esta posição foi demonstrada através da assinatura da petição 1550, inscrita no site oficial da Comissão de Petições, que defende a reabertura das escolas apenas para setembro. 

"A abertura de todas as escolas, escolas secundárias, creches, centros de dia e 'maison relais' apenas em Setembro, para proteger todas as crianças", contra o novo coronavírus, defende esta petição, que já ultrapassou o número base, de 4500 assinaturas, para ser levada a debate público na Câmara dos Deputados com o ministro da tutela. Clique aqui para consultar a petição 1550.


Covid-19. Mais de 13 mil pais contra a reabertura das escolas em maio
A Representação Nacional de Pais, no Luxemburgo diz que "ainda é cedo demais" para os alunos regressarem à escola. E a petição online já vai com mais de 13 mil assinaturas. Mas terá de ser relançada no site oficial do governo, porque assim não irá ao parlamento.

 Os restantes 17 299 assinaram a petição “Não à reabertura das escolas e liceus em maio, há que proteger os nossos filhos, irmãos, etc”, da portuguesa Tânia Pragana, que por desconhecimento a inscreveu num site não oficial, e portanto, não é válida para ser levada a discussão. 

Por isso mesmo, Tânia Pragana continua a pedir que quem defenda esta mesma posição que assine a petição 1550 para dar voz a todos que são contra este regresso “cedo demais”, como diz.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas