Escolha as suas informações

Covid-19. As seis medidas que evitam o aumento das infeções no Luxemburgo
Luxemburgo 2 min. 26.06.2020 Do nosso arquivo online

Covid-19. As seis medidas que evitam o aumento das infeções no Luxemburgo

Covid-19. As seis medidas que evitam o aumento das infeções no Luxemburgo

Chris Karaba
Luxemburgo 2 min. 26.06.2020 Do nosso arquivo online

Covid-19. As seis medidas que evitam o aumento das infeções no Luxemburgo

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
Um estudo do Liser divulga as regras fundamentais para que a evolução da epidemia no país se mantenha no bom caminho. E como se deve atuar se houver más surpresas.

Doze cientistas do Instituto Luxemburguês de Investigação Socioeconómico (Liser) analisaram  as respostas económicas e de saúde à covid-19 no país, nomeadamente a evolução dos casos do novo coronavírus e as políticas adotadas. Um dos objetivos foi descobrir como controlar a epidemia durante o período de desconfinamento e no médio prazo.

O Luxemburgo é um dos países da Europa que melhor se está a portar no desconfinamento. Há mais de um mês que não há registo de mortes e a taxa de novos casos de infeção não é alarmante em comparação com outros países onde estão a surgir novos focos do vírus, como Portugal. Porém o país deve continuar em alerta máximo para evitar novos surtos da covid-19.

Perigo de efeitos incertos

E é aqui que o estudo do Liser se revela muito importante. De acordo com a investigação “a retoma da vida social e, em menor medida, a reabertura das actividades da Horesca geram efeitos mais incertos sobre a curva de infeção”, lê-se no estudo. Por isso, alertam os seus autores, “os decisores políticos devem estar preparados para enfrentar situações críticas”.


Lei Covid. Saiba o que pode ou não pode fazer a partir desta quinta-feira
As restrições de segurança entram em vigor a partir de hoje por um período de um mês.

A análise conclui que existem medidas que têm de continuar a ser aplicadas constantemente pela população e fomentadas pelo Governo.

Teletrabalho

Em primeiro lugar indicam a continuação do teletrabalho. “Todos os nossos resultados de simulação indicam que se as práticas de teletrabalho terminassem tal conduziria a grandes danos epidemiológicos”. Mantendo o teletrabalho, “a curva tende a convergir para zero”.

Segue-se a abertura do setor da restauração (Horesca) em que os estabelecimentos devem “reduzir a metade a sua capacidade total ou com as apropriadas medidas de distanciamento físico”. Estas regras vão gerar “efeitos muito pequenos na curva de infeção”.

Regras na vida social

A terceira medida prende-se com a vida social, e aqui os investigadores do Liser afirmam que os resultados do estudo indicam que “a evolução do número de casos covid-19 é altamente sensível aos números de contágio fora do mercado de trabalho”. Portanto, na vida social há que “manter as medidas de higiene e elevados níveis de distanciamento físico”, os quais têm um importante impacto sobre o número de casos da covid-19” no país.


Frédéric Docquier. “O regresso à normalidade levará tempo”
Estamos perante uma crise muito longa que vai levar ao aumento das famílias sem capacidade para pagar as suas dívidas, afirma um dos economistas que coordenou um estudo do LISER sobre os desafios que se avizinham para a economia do Grão-Ducado.

Os investigadores incluem ainda medidas adicionais, como a combinação de testes de despistagem com rastreio de contactos da pessoa infetada, sendo realizados dois testes por três meses. 

No pior cenário

Se acontecer o “pior cenário” as autoridades devem então “combinar a realização de testes bi-mensal com rastreamento de contatos e medidas de quarentena”.

Estas são medidas para "cenários  pessimistas" vinca o estudo. Contudo, se houver uma situação em que as taxas de infeção estejam a "aumentar rapidamente", os testes e as medidas de acompanhamento "poderão ter de ser reforçados". 

Por outro lado, as medidas poderão ser suavizadas se "uma percentagem mais elevada de comportamentos recentes de distanciamento e prevenção provar ser permanente e eficaz", explicam os investigadores. 


Proibição de ajuntamentos privados com mais de 20 pessoas passa a recomendação
Os ajuntamentos em casas privadas, que envolvam mais de 20 pessoas, deverão passar de proibidos a desaconselhados. Este é um dos aspetos contemplados na chamada ‘lei covid’, que vai a votos esta segunda-feira no Parlamento.

Contudo, estes cientistas do Liser dizem estar “relativamente otimistas” de que não irá acontecer um “reativar da pandemia” graças às medidas de desconfinamento implementadas em abril e maio”. Assim o fazem acreditar as “tendências observadas durante as últimas semanas”.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Covid-19. Epidemia controlada em França
"O vírus continua a circular, em particular em certas regiões (...), mas circula em velocidade reduzida", disse o presidente do Conselho Científico francês à radio France Inter.