Escolha as suas informações

Covid-19. A epidemia está a desacelerar mas infeções mantém-se muito elevadas
Luxemburgo 2 min. 13.11.2020

Covid-19. A epidemia está a desacelerar mas infeções mantém-se muito elevadas

Covid-19. A epidemia está a desacelerar mas infeções mantém-se muito elevadas

Luxemburgo 2 min. 13.11.2020

Covid-19. A epidemia está a desacelerar mas infeções mantém-se muito elevadas

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
Previsões apontam para cerca de 780 casos diários nos próximos dias. “Medidas têm de ser cumpridas” para evitar que a 2ª vaga recupere rápido e se torne mais forte, dizem cientistas.

A dinâmica da segunda vaga da epidemia está a “relaxar” no Luxemburgo e as previsões para os próximos dias apontam para um crescimento menor no número diário de casos, do que o inicialmente estimado.

Há três semanas, os modelos de previsão dos cientistas da task-force Covid-19 estimavam que em meados de novembro, o Luxemburgo registasse uma média  de 1400 novas infeções por dia. Este número foi descendo e no relatório divulgado hoje, a estimativa aponta para 780 novos casos diários para os próximos dias. Valor menor, mas igualmente muito elevado.

Esforço coletivo para mitigar vaga

Para os investigadores, a evolução da covid-19 apresenta uma “tendência positiva”, contudo, “é necessário continuar os esforços sociais para mitigar a atual vaga epidémica, para fazer descer os números de infeções para um regime melhor controlável”, afirmam os cientistas no relatório sobre a situação atual da covid-19 no país.

Esta semana, a taxa de transmissão da doença (Reff) foi de 0,93, contra 1,04 da na semana passada, o que significa que atualmente cada infetado contagia menos do que uma pessoa. E o tempo de duplicação de casos de infeção é atualmente de 10,6 dias, contra os 8,3 dias da semana passada.


Covid-19. Luxemburgo com 8 mortes e 713 novos casos
Sobe para 41 o número de pacientes nos cuidados intensivos.

 Mudança de comportamento

Quais as causas desta desaceleração da covid-19 no país? As novas “medidas restritivas implementadas”, como o recolher obrigatório e a redução a um máximo de quatro pessoas nas mesas de restaurantes ou mesmo a convidados permitidos receber em casa, e a “mudança de comportamento das pessoas” estão a surtir efeito.

Esta mudança de comportamento significa que as pessoas estão a cumprir as medidas impostas e a respeitar as regras de prevenção, como o uso da máscara, o distanciamento social, e a higienização das mãos, a par com a diminuição de contactos sociais.

Por isso, a task-force realça que estas previsões são feitas com base na situação atual e no comportamento atual da sociedade. “Este modelo não tem em conta as potenciais mudanças de comportamento social no futuro e só implicitamente tem em conta os efeitos potenciais das férias escolares da semana passada”, frisam os cientistas. 

Há que "empurrar a curva para baixo"

Por isso alertam: "O nosso objetivo comum deve continuar a ser o de contribuir para empurrar a curva mais para baixo, em direção a um regime mais estável”. E isso depende da população. “O comportamento da sociedade pode alterar a curva numa ou noutra direção”, realçam.


Covid-19. Efeitos económicos e de saúde na população luxemburguesa são "gritantes"
O confinamento reduziu o rendimento mensal de uma em cada seis pessoas, revela o Statec.

Até porque, os números continuam elevados e os casos diários a colocar o Contact Tracing, o sistema de rastreio dos contactos nos seus limites, vinca o relatório. “A atenuação da onda epidémica depende do esforço social comum para reduzir as interações físicas, respeitando as medidas de higiene e com a participação ativa da população nos testes em larga escala. Só se conseguirmos empurrar a curva mais para baixo, pode ser evitada uma potencial recuperação rápida e forte da vaga”. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas