Escolha as suas informações

Covid-19. 4,8% das pessoas nos lares de idosos estavam contaminadas
Luxemburgo 2 min. 22.05.2020

Covid-19. 4,8% das pessoas nos lares de idosos estavam contaminadas

Covid-19. 4,8% das pessoas nos lares de idosos estavam contaminadas

Foto: SIP
Luxemburgo 2 min. 22.05.2020

Covid-19. 4,8% das pessoas nos lares de idosos estavam contaminadas

Susy MARTINS
Susy MARTINS
A ministra da Saúde anuncia a estratégia de testes que será implementada.

A ministra da Saúde, Paulette Lenert, anunciou hoje que 4,8% das pessoas testadas nos lares de idosos estavam infetadas com o coronavírus, numa conferência de imprensa que ainda está a decorrer.  Os lares de idosos foram testados a larga escala e Paulette Lenert esclareceu que “4.309 idosos foram para já testados, sendo que 4,8% acusaram positivo.  Mas não só os lares foram testados, também as trabalhadores do setor da construção, alunos e professores foram convidados a fazer a despistagem no âmbito da retoma das atividades”.

O Luxemburgo é o segundo país da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) que mais testes faz à covid-19. Só a Islândia tem um melhor desempenho. 

“A realização de testes foi desde cedo importante para o Luxemburgo e a forma como fomos testando foi evoluindo ao longo das semanas”, disse a ministra da Saúde, Paulette Lenert, esta sexta-feira numa conferência de imprensa conjunta com o ministro da Investigação, Claude Meisch. “Testar o mais possível é uma forma de combater a propagação do novo coronavírus”, sublinhou Paulette Lenert, acrescentando “que no início da pandemia não havia muitos testes disponíveis, daí ser ter feito testes só a pessoas com sintomas ou provenientes de uma zona de risco. 

No entanto, agora, o Luxemburgo dispõe de testes suficientes”.   O aeroporto do Luxemburgo reabre a 29 de maio e segundo a ministra da Saúde “está atualmente em cima da mesa levar a cabo uma ação de despistagem aos trabalhadores do aeroporto nacional”.  

 Já para o ministro da Investigação, Claude Meisch, os “testes em larga escala permitem quebrar as redes de infeção, e assim começar a viver de uma forma mais normal”.

O ministro explicou ainda que “a população não é toda testada, mas são escolhidas algumas pessoas dos diversos setores, que representam um amostra representativa da população do país”. 

Essas pessoas recebem um convite para esse teste, no entanto Claude Meisch especificou que não é obrigatório apresentar-se. Porém frisou que se trata de uma responsabilidade coletiva e é um pilar do desconfinamento para evitar uma segunda vaga de infeções.

A ministra da Saúde, Paulette Lenert e o ministro do Ensino Superior e da Investigação, Claude Meisch fizeram esta tarde o ponto da stiuação e as perspetias da estratégia nacional de despistagem da covid-19. Presente na conferência esteve também o CEO do Intituto Luxemburguês da Saúde (LIH) e o porta-voz da taskforce covid-19 Research Luxembourg, Paul Wilmes.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas