Escolha as suas informações

Corinne Cahen quer intervenção do Comité de Ética sobre negócios de família
Luxemburgo 11.11.2019 Do nosso arquivo online

Corinne Cahen quer intervenção do Comité de Ética sobre negócios de família

Corinne Cahen quer intervenção do Comité de Ética sobre negócios de família

Foto: Pierre Matgé
Luxemburgo 11.11.2019 Do nosso arquivo online

Corinne Cahen quer intervenção do Comité de Ética sobre negócios de família

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Os partidos da oposição criticam a governante por ter usado o seu email profissional para defender um negócio de família, concretamente uma sapataria, face às obras gigantescas do elétrico, na gare da capital. Corinne Cahen, líder do Partido Democrático (DP), também é suspeita de ter arrendado um apartamento na plataforma Airbnb.

Na verdade, os partidos da oposição já tinham pedido a intervenção do comité de ética mas o líder do governo Xavier Bettel nada fez por considerar “não haver conflitos de interesses”. Bettel considerou, na semana passada, que aquela interferência não viola o código deontológico dos membros do governo.

Corinne Cahen defende, na carta enviada ao primeiro-ministro, que um parecer daquela entidade vai esclarecer e, sobretudo, acabar com a polémica.

O caso é político-partidário, na perspetiva da ministra, que exige o fim dos ataques pessoais que até acusa de causarem prejuízo “à cultura política do país”.


S
Juventude Cristã-Social acusa ministra Cahen de “abuso de poder”
Na origem da acusação está um email que a governante enviou aos representantes dos comerciantes da capital, queixando-se da interferência das obras do elétrico na sapataria familiar.

Na origem das acusações de conflito de interesse contra a governante está um email que Corinne Cahen enviou, em abril, à União dos Comerciantes da cidade do Luxemburgo (UCVL), no qual se queixava da “situação complicada em que se encontrava a sapataria familiar, por causa dos trabalhos de construção da linha do elétrico”.

O outro caso foi revelado este fim de semana pela RTL. A ministra da Família terá colocado um apartamento na plataforma Airbnb, a 80 euros por dia. A confirmar-se, esta situação configura uma violação ao código deontológico dos governantes.


Corinne Cahen sob fogo. Depois da sapataria o Airbnb
A ministra da Família e dirigente do DP é acusada de ter proposto arrendar um apartamento na plataforma Airbnb, o que configuraria uma violação do código deontológico a que estão obrigados os governantes.

Na missiva endereçada ao primeiro-ministro, Corinne Cahen sublinha ainda que “todos os cidadãos devem poder exercer uma atividade política, independentemente da sua profissão de origem”. “Cada um deve poder voltar à sua profissão de origem ou à sua empresa, após a passagem pela vida política”, acrescenta a ministra.


Notícias relacionadas

Bettel defende Corinne Cahen no caso do email
O primeiro-ministro considerou que não há nenhuma questão do ponto de vista ético no email que a ministra da Família fez usando o seu endereço eletrónico do governo em relação às obras na Gare que afectam um estabelecimento comercial que pertence à sua família.