Escolha as suas informações

Consulado: Ministro Santos Silva nega violação da lei laboral luxemburguesa
Luxemburgo 3 min. 15.10.2018 Do nosso arquivo online

Consulado: Ministro Santos Silva nega violação da lei laboral luxemburguesa

Consulado: Ministro Santos Silva nega violação da lei laboral luxemburguesa

Foto: Guy Jallay
Luxemburgo 3 min. 15.10.2018 Do nosso arquivo online

Consulado: Ministro Santos Silva nega violação da lei laboral luxemburguesa

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal defendeu hoje que o Estado português não está a violar a lei laboral luxemburguesa, ao não pagar aos trabalhadores consulares os aumentos da indexação. Mas deixou aberta a possibilidade de reexaminar a questão.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, negou hoje que o Estado português esteja a violar a lei laboral luxemburguesa no caso dos trabalhadores consulares, que não receberam as atualizações previstas no Código do Trabalho do Luxemburgo, tal como o Contacto denunciou na semana passada. "A orientação que nós seguimos é a de atualizar os salários dos nossos funcionários de acordo com a lei portuguesa" e "em vários ordenamentos jurídicos é [também] imperativa a conformidade com a legislação laboral nacional, e cumprimos esses imperativos", disse o ministro, à margem do Conselho dos Negócios Estrangeiros, que se realizou hoje no Luxemburgo.

Na semana passada, a central sindical luxemburguesa OGB-L ameaçou processar o Estado português, por causa da indexação dos salários, um mecanismo de atualização salarial que se aplica em função do valor da inflação. De acordo com Eduardo Dias, da central sindical luxemburguesa, os trabalhadores consulares no Luxemburgo não receberam o pagamento do aumento de 2,5 % em janeiro de 2017, referente à indexação, e o de agosto deste ano, com o mesmo valor. Por lei, a entidade patronal é obrigada a pagar estas atualizações, arriscando uma multa até 25 mil euros se o não fizer, ao abrigo do art° 223 do Código do Direito do Trabalho luxemburguês, que prevê que essa disposição não possa ser afastada por acordo entre as partes.

Segundo o sindicato, um parecer recente do departamento jurídico do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) defende no entanto que a norma que prevê essa atualização salarial, destinada a adaptar os salários à evolução do custo de vida, não é imperativa. "Não há enquadramento legal para a atualização remuneratória, no mesmo valor percentual que foi estabelecido para os cidadãos do Luxemburgo, uma vez que, por um lado, tal atualização não foi autorizada pelos membros do governo competentes e, por outro lado, não se afigura que tal atualização se enquadre no conjunto de normas imperativas de ordem pública", pode ler-se no parecer dos serviços jurídicos do MNE, a que o Contacto teve acesso.

O Decreto-lei 47/2013, de 5 de Abril, que estabelece o regime jurídico-laboral dos trabalhadores dos serviços periféricos externos do Ministério dos Negócios Estrangeiros, prevê, no art° n° 2, que lhes sejam aplicadas as "normas imperativas locais".

Questionado sobre se o parecer do MNE não ignora esta disposição da lei portuguesa, Santos Silva defendeu a interpretação dos serviços jurídicos do seu Ministério. "Eu não sou jurista, sou sociólogo, chefio um Ministério que tem um departamento de assuntos jurídicos, aliás muitíssimo competente. É o serviço a que eu recorro exatamente quando procuro saber se a lei está a ser cumprida", afirmou, declarando no entanto que está disposto a reexaminar a questão. "Se há uma diferença de interpretação entre os meus serviços jurídicos e os serviços jurídicos do sindicato, tenho todo o gosto em examinar essa questão, e fá-lo-á o secretário de Estado encarregado dessas matérias", concluiu.

Falta de pagamento da indexação já vem de longe

Esta não é a primeira vez que o sindicato questiona a falta de pagamento dos aumentos da indexação aos trabalhadores consulares. A questão dos trabalhadores consulares já foi colocada ao ministro do Trabalho e ao primeiro-ministro luxemburgueses, como o Contacto noticiou em 12 de março de 2012, e "ambos confirmaram que o Consulado está em situação de ilegalidade", disse na altura o sindicalista Eduardo Dias. O então encarregado de negócios da Embaixada, Rui Correia, foi chamado ao Ministério dos Negócios Estrangeiros do Luxemburgo para prestar esclarecimentos sobre este assunto.

A situação levou também em 2013 uma funcionária do Consulado a apresentar queixa ao Provedor de Justiça em Portugal, que lhe deu razão, considerando que o Estado português é obrigado a respeitar as leis laborais luxemburguesas relativas "à adaptação automática da remuneração à evolução do custo de vida".

P.T.A.


Notícias relacionadas

Embaixada de Portugal contrata abaixo do salário mínimo do Luxemburgo
A Embaixada de Portugal no Luxemburgo abriu concurso para regularizar a situação de uma trabalhadora na residência do embaixador, mas a remuneração estabelecida é inferior ao salário mínimo luxemburguês. O Código do Trabalho do Luxemburgo pune este tipo de infração com coimas que podem ir até aos 25 mil euros. O caso foi denunciado pela OGBL.
O Fado (Des)Consulado
Se o Consulado é desconsolado, o Estado português é desavergonhado. Que fez o Estado português há sete anos, quando o ministro do Trabalho do Luxemburgo e o próprio primeiro-ministro de então, Jean-Claude Juncker, pediu explicações sobre o desrespeito reiterado da legislação luxemburguesa? Orelhas moucas.