Escolha as suas informações

Comissão dos Direitos do Homem pede ao Governo para apoiar refugiados afegãos
Luxemburgo 23.08.2021
Afeganistão

Comissão dos Direitos do Homem pede ao Governo para apoiar refugiados afegãos

Afeganistão

Comissão dos Direitos do Homem pede ao Governo para apoiar refugiados afegãos

AFP
Luxemburgo 23.08.2021
Afeganistão

Comissão dos Direitos do Homem pede ao Governo para apoiar refugiados afegãos

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
Gilbert Pregno defende ainda a aceleração da concessão de vistos humanitários a familiares de pessoas que obtiveram o estatuto de refugiado ou proteção subsidiária no Luxemburgo.

A Comissão Consultiva dos Direitos do Homem do Grão-Ducado do Luxemburgo (CCDH) está "muito preocupada" com a situação no Afeganistão e pede ao Governo que dê apoio aos afegãos que procuram proteção internacional.

Numa carta aberta publicada esta segunda-feira e dirigida ao Executivo luxemburguês, a CCDH pede aos governantes que sejam "diligentes" em ajudar estas pessoas. Segundo refere o presidente deste organismo, Gilbert Pregno, este sinal do Governo luxemburguês serviria para demonstrar o seu compromisso com os direitos humanos e fornecer "um forte argumento" para apoiar a candidatura do Grão-Ducado a futuro membro do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas.

Gilbert Pregno defende ainda a aceleração da concessão de vistos humanitários a familiares de pessoas que obtiveram o estatuto de refugiado ou proteção subsidiária no Luxemburgo.

Na carta aberta, o responsável diz-se contra qualquer tipo de rejeição de proteção internacional por parte do Luxemburgo e defende que a União Europeia deve abrir corredores humanitários para ajudar os cidadãos afegãos que procuram asilo.

Quanto aos funcionários da Comissão Independente dos Direitos Humanos do Afeganistão e aos seus familiares, a CCDH pede também ao Governo luxemburguês para os acolher durante um período definido.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Seis jovens que vivem no Luxemburgo alistaram-se na "Jihad“, na Síria. A informação é avançada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Jean Asselborn. Dois já regressaram ao Luxemburgo e outros dois morreram na Síria.