Escolha as suas informações

Cannes, a mãe-galinha
Luxemburgo 3 min. 18.06.2021
Cinema

Cannes, a mãe-galinha

Cinema

Cannes, a mãe-galinha

Foto: Shutterstock
Luxemburgo 3 min. 18.06.2021
Cinema

Cannes, a mãe-galinha

António Raúl VAZ PINTO DA CUNHA REIS
António Raúl VAZ PINTO DA CUNHA REIS
A verdade é que o certame francês é responsável por revelar talentos como nenhum outro festival.

Já várias vezes me queixei que o festival de cinema de Cannes se faz sobretudo com “os amigos do costume”. Alguém se deu inclusivamente ao trabalho de calcular que nas duas derradeiras décadas os mesmos 70 nomes se foram repetindo na seleção oficial da maior mostra de cinema do mundo.

Dá a impressão que os programadores não gostam de correr riscos e que sofrem de um síndroma de família, mas a verdade é que o certame francês é responsável por revelar talentos como nenhum outro festival. O problema é que, depois, como uma mãe-galinha, não larga os seus filhinhos e continua a trazê-los até à Côte d’Azur sempre que eles fazem um filme.

No momento em que vos escrevo, nem sei sequer se vou ter uma acreditação já que os organizadores querem limitar a cerca de metade o número de participantes. Nem imaginam a falta que me fez em 2020 não fazer a anual romagem de maio à Croisette par ver filmes de manhã à noite e, já que lá estou, beber um copo numa ou outra festinha.

Depois do cancelamento da última edição presencial por causa da pandemia da covid-19, o Festival de Cannes regressa este ano em Julho, mais propriamente de 6 a 17 de Julho.

O filme de abertura da 74.ª edição do festival francês será “Annette”, o primeiro trabalho em inglês do francês Leos Carax, e que terá no elenco Marion Cotillard, Adam Driver e Simon Helberg.

O júri do festival será presidido pelo cineasta norte-americano Spike Lee e Jodie Foster receberá a Palma de Ouro honorária. A organização explicou este galardão que “celebra a trajectória artística brilhante” de Jodie Foster, “uma personalidade incomum e com um compromisso discreto, mas firme, com os grandes temas da nossa época”, pode ler-se num comunicado. A actriz também já reagiu e vai estar no sul de França “para poder partilhar algumas palavras de sabedoria ou contar uma ou duas aventuras com uma nova geração de cineastas”.

Veja a seguir a lista de filmes selecionados.

Competição

“The French Dispatch” (Wes Anderson) “Les Olympiades” (Jacques Audiard) “Haut et Fort” (Nabil Ayouch) “Red Rocket” (Sean Baker) “Annette” (Leos Carax) “La fracture” (Catherine Corsini) “Titane” (Julia Ducournau) “France” (Bruno Dumont) “The Story of My Wife” (Ildikó Enyedi) “A Hero” (Asghar Farhadi) “Drive My Car” (Ryusuke Hamaguchi) “Bergman Island” (Mia Hansen-Løve) “Lingui” (Mahamat-Saleh Haroun) “Compartment Number 6” (Juho Kuosmanen) “Nitram” (Justin Kurzel) “Les Intranquilles” (Joachim Lafosse)

“Ahed’s Knee” (Nadav Lapid) “Tre piani” (Nanni Moretti) “Tout s’est bien passé” (François Ozon) “Petrov’s Flu” (Kirill Serebrennikov) “The Worst Person in the World” (Joachim Trier) “Benedetta” (Paul Verhoeven) “Memoria” (Apichatpong Weerasethakul)

Fora de competição 

“De Son Vivant” (Emmanuelle Bercot) “Emergency Declaration” (Han Jae-Rim) “The Velvet Underground” (Todd Haynes) “Stillwater” (Tom McCarthy) “Aline” (Valérie Lemercier) “Bac nord” (Cédric Jimenez)

“Where is Anne Frank” (Ari Folman)

Un Certain Regard 

“Un Monde” (Laura Wandel) “The Innocents” (Eskil Vogt) “After Yang” (Kogonada) “Commitment Hasan (Hasan Semih Kaplanoglu) “Lamb” (Valdimar Jóhansson) “Noche de Fuego” (Tatiana Huezo) “Bonne mère” (Hafsia Herzi) “House Arrest” (Alexey German Jr.) “Blue Bayou” (Justin Chon) “Money Boys” (C.B. Yi) “Freda” (Gessica Généus) 

Projeções especiais

“H6” (Yé Yé) “Black Notebooks” (Shlomi Elkabetz) “Mariner of the Mountains” (Karim Aïnouz) “JFK Revisited: Through the Looking Glass” (Oliver Stone) “Jane” par Charlotte (Charlotte Gainsbourg)

“The Year of the Everlasting Storm” (Jafar Panahi, Anthony Chen, Malik Vitthal, Laura Poitras, Dominga Sotomayor, David Lowery e Apichatpong Weerasethakul)

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Julia Ducournau é a segunda mulher a receber a Palma de Ouro no Festival de Cinema de Cannes depois de Jane Campion, galardoada pelo filme “The Piano”, em 1993, e ex aequo com o chinês Chen Kaige por “Adieu ma concubine”.
Festival de Cannes 2015
Dizia-se em Portugal, a partir dos anos 70, que muitos dos nossos cineastas faziam filmes para mostrar em Paris em vez do nosso país. A expressão foi cunhada para definir, ironicamente, o cinema português que recebia influências da nova vaga francesa e de outras tendências que se seguiram.
Este ano, Miguel Gomes vai à Quinzena dos Realizadores, em Cannes, para apresentar o seu novo trabalho "Mil e uma noites"