Escolha as suas informações

Cidade do Luxemburgo em negociações para abertura de um centro de testes rápidos à covid-19
Luxemburgo 14.05.2021

Cidade do Luxemburgo em negociações para abertura de um centro de testes rápidos à covid-19

Cidade do Luxemburgo em negociações para abertura de um centro de testes rápidos à covid-19

Foto: DPA
Luxemburgo 14.05.2021

Cidade do Luxemburgo em negociações para abertura de um centro de testes rápidos à covid-19

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Para dar apoio aos cerca de 300 restaurantes que estão espalhados no território da capital, a autarquia da cidade do Luxemburgo pretende abrir um centro onde se pode fazer testes rápidos à covid-19. Algo de inédito no país.

Uma informação confirmada pela burgomestre da capital, Lydie Polfer, ao jornal Tageblatt. Mas antes de abrir esse centro é preciso esclarecer certos pormenores, nomeadamente quem vai realizar esses testes, uma vez que as pessoas irão obter um certificado com o resultado do teste, válido durante 24 horas. 

A burgomestre não quis dar mais pormenores sobre o projeto, sublinhando no entanto, que a ideia do centro de testagem não depende de meios financeiros, mas mais de questões ligadas à logística e ao local da implantação.

Fica ainda a indicação que caso o centro de testagem venha a ver a luz do dia, isso não vai acontecer no próximo domingo, dia de reabertura do interior dos estabelecimentos.

Note-se que a partir de 16 de maio há três formas de testes possíveis para aceder ao interior de um café ou restaurante: um teste PCR feito num laboratório, com uma duração máxima de 72 horas, teste rápido feito por um profissional da saúde válido durante 24 horas, e os autotestes que deverão ser feitos no próprio estabelecimento.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A falta de clareza do Governo sobre a realização obrigatória dos testes rápidos anti-covid para entrar no interior dos restaurantes está a gerar o caos em véspera da abertura das salas, a 16 de maio. E quando acabarem os testes oferecidos ao setor, quem os vai pagar?, questionam ao Contacto proprietários e políticos.