Escolha as suas informações

Cerca de 80 mil polícias mobilizados para as manifestações dos "coletes amarelos" em França
Luxemburgo 19.01.2019

Cerca de 80 mil polícias mobilizados para as manifestações dos "coletes amarelos" em França

Cerca de 80 mil polícias mobilizados para as manifestações dos "coletes amarelos" em França

Foto: AFP
Luxemburgo 19.01.2019

Cerca de 80 mil polícias mobilizados para as manifestações dos "coletes amarelos" em França

Cerca de 80.000 polícias foram mobilizados em todo a França, 5.000 destes em Paris, para o décimo dia de manifestações dos "coletes amarelos", anunciaram hoje as autoridades francesas.

Os principais monumentos da capital estarão hoje rodeados por um importante dispositivo antimotim para evitar a repetição de imagens de confrontos e vandalizações do espaço público nas manifestações anteriores.

A principal manifestação em Paris está prevista para acontecer na Esplanada dos Inválidos, em frente ao túmulo de Napoleão, embora os "coletes amarelos" não tenham o hábito de divulgar os locais dos protestos antecipadamente.

Será o décimo sábado consecutivo em que o grupo vai para as ruas vestido com coletes amarelos, peça obrigatória em todos os veículos para o caso de algum acidente.

Depois de uma queda geral no número de participantes, no sábado passado o movimento ganhou novamente algum vigor, com 84.000 manifestantes em todo o país, de acordo com dados do Ministério do Interior francês.

Hoje será o primeiro dia de protesto depois de o Presidente francês, Emmanuel Macron, ter lançado um grande debate nacional, uma fórmula com a qual pretende que as queixas dos cidadãos sejam canalizadas através do diálogo em vez de protestos de rua.

Os autoproclamados porta-vozes dos "coletes amarelos" já desacreditaram esse debate nacional e apelaram ao aumento das manifestações.

Os "coletes amarelos" começaram os protestos devido ao aumento do preço dos combustíveis em França, mas passou rapidamente a ser um protesto contra as atuais condições de vida dos franceses, como a perda de poder de compra e contra o Governo do Presidente Macron.