Escolha as suas informações

Caso de alunos proibidos de falar português preocupa comunidade no Luxemburgo
Luxemburgo 6 min. 28.10.2014 Do nosso arquivo online
Ministra da Família aplaude decisão

Caso de alunos proibidos de falar português preocupa comunidade no Luxemburgo

Um dia depois de defender o multilinguismo no ensino precoce, ao lado do ministro da Educação, a ministra da Família aplaudiu no Facebook a decisão de um director de turma que proibiu os alunos de falarem português nas aulas
Ministra da Família aplaude decisão

Caso de alunos proibidos de falar português preocupa comunidade no Luxemburgo

Um dia depois de defender o multilinguismo no ensino precoce, ao lado do ministro da Educação, a ministra da Família aplaudiu no Facebook a decisão de um director de turma que proibiu os alunos de falarem português nas aulas
Foto: Guy Jallay
Luxemburgo 6 min. 28.10.2014 Do nosso arquivo online
Ministra da Família aplaude decisão

Caso de alunos proibidos de falar português preocupa comunidade no Luxemburgo

O caso de um director de turma que proibiu os alunos de falar português nas aulas, num liceu no Luxemburgo, está a preocupar a comunidade portuguesa no país, que considera a medida "castradora" e incoerente.

Para o presidente da Confederação da Comunidade Portuguesa no Luxemburgo (CCPL), a proibição pode levar também a um sentimento de desvalorização da língua materna, ao arrepio das políticas do Governo luxemburguês, que vem defendendo a importância do português para o sucesso escolar dos imigrantes.

"Eu compreendo que na escola os alunos se exprimam na língua em que estão a ser ensinados, mas proibir genericamente o português nas aulas é uma forma de castração", disse ao CONTACTO José Coimbra de Matos, sublinhando que "se as crianças partirem do princípio que a língua delas é proibida no sistema escolar, vão sentir-se inferiorizadas em relação aos outros".

O dirigente associativo acusa ainda o Executivo luxemburguês de "incoerência" entre "aquilo que diz e aquilo que faz". "O Governo luxemburguês diz que tem de se apostar no multilinguismo, e depois surge uma medida destas", lamenta Coimbra de Matos.

O presidente da Confederação garante que o caso não é único no Luxemburgo e diz que há mesmo creches em que a língua portuguesa é proibida.

"Pessoas que trabalham em creches públicas informaram-nos que as crianças são punidas se forem apanhadas a falar português", contou ao CONTACTO Coimbra de Matos, para quem a medida discrimina sobretudo a comunidade portuguesa. "Será que os que falam inglês ou italiano têm o mesmo tratamento?", questiona o presidente da CCPL.

O caso foi noticiado na semana passada pela Rádio Latina. Num post publicado no Facebook pela ministra da Família a 3 de Outubro, no mesmo dia em que participou numa conferência sobre multilinguismo com o ministro da Educação do Luxemburgo, Corinne Cahen defendeu a promoção da aprendizagem de várias línguas "desde o ensino precoce". Em comentário ao post da ministra, um dia depois, uma mãe perguntou: "De certeza? Temo que o tiro saia pela culatra, só se o pessoal [docente] for consequente. Na turma do sétimo ano da minha filha, 14 dos 20 alunos são portugueses, e o director de turma decidiu que não podem falar português nas aulas, mas que o luxemburguês é obrigatório". Comentário da ministra: "Decisão acertada do director de turma".

Para Coimbra de Matos, o comentário da ministra mostra que há dois pesos e duas medidas na política do Executivo luxemburguês.

"O próprio Ministério da Educação do Luxemburgo diz que é importante valorizar a língua materna e quis que o português fosse incluído no boletim escolar, e agora surge este caso que ainda por cima é aprovado por alguém com responsabilidades no Governo", lamenta o dirigente associativo.

O post, a que o CONTACTO teve acesso, foi entretanto apagado da página da ministra. O CONTACTO tentou ouvir Corinne Cahen sobre o caso, mas fonte do seu gabinete disse que a ministra está fora do país até 3 de Novembro. O jornal questionou também a autora do comentário na rede social, mas a mãe da aluna do 7° ano recusou revelar em que liceu o caso se passou ou prestar declarações ao CONTACTO.

Em comentário a um post no Facebook em que a ministra da Família defendia o multilinguismo, uma mãe perguntou: “De certeza? Temo que o tiro saia pela culatra, só se o pessoal [docente] for consequente. Na turma do sétimo ano da minha filha, 14 dos 20 alunos são portugueses, e o director de turma decidiu que não podem falar português nas aulas, mas que o luxemburguês é obrigatório”. Comentário da ministra: “Decisão acertada do director de turma”.
Em comentário a um post no Facebook em que a ministra da Família defendia o multilinguismo, uma mãe perguntou: “De certeza? Temo que o tiro saia pela culatra, só se o pessoal [docente] for consequente. Na turma do sétimo ano da minha filha, 14 dos 20 alunos são portugueses, e o director de turma decidiu que não podem falar português nas aulas, mas que o luxemburguês é obrigatório”. Comentário da ministra: “Decisão acertada do director de turma”.
Imagem: Captura de ecrã

PROIBIR É ERRADO, DIZ INVESTIGADORA DA UNIVERSIDADE DO LUXEMBURGO

Para os especialistas em educação, proibir os alunos de se exprimirem na língua materna "não é uma decisão acertada". Adelheid Hu, investigadora alemã especializada em multilinguismo e comunicação intercultural na Universidade do Luxemburgo, não tem dúvidas.

"Tivemos a mesma situação com os imigrantes turcos na Alemanha, e as investigações que foram feitas indicam que não se deve proibir os alunos de falar a língua materna nas escolas", diz a investigadora alemã, sublinhando que "os alunos utilizam muitas vezes a língua-mãe para tentarem compreender aquilo que ouvem nas aulas, e não apenas para conversarem uns com os outros".

Ao proibir os alunos de falar português, "não é só a língua que está em causa, a identidade cultural das crianças também é ameaçada", defende.

A investigadora, que participou este mês numa conferência sobre o 30° aniversário dos cursos integrados de Português no ensino luxemburguês, recorda que o domínio da língua materna "facilita a aprendizagem de línguas estrangeiras", de acordo com a maioria dos estudos, e diz que é preciso dar mais formação aos professores para que estes possam "gerir a diversidade" linguística nas aulas.

"Eu compreendo que é difícil para os professores, mas é preciso encontrar métodos para tirar partido da diversidade linguística e promover a aprendizagem através das línguas", defende a investigadora.

PROIBIR LÍNGUA MATERNA DE IMIGRANTES JÁ PROVOCOU POLÉMICA NOUTROS PAÍSES

A decisão de proibir os imigrantes de falar a língua materna nas escolas já provocou polémica noutros países.

Há um ano, a directora de uma escola no Texas, nos Estados Unidos, onde a maioria dos alunos é de origem hispânica, foi demitida pela direcção do estabelecimento escolar depois de ter proibido os alunos de falar espanhol nas aulas.

Na vizinha Bélgica, um estudo conjunto da Universidade de Lovaina, Gand e Antuérpia concluiu que dois terços dos imigrantes são impedidos de falar a língua materna nas escolas da região flamenga do país, uma percentagem que sobe para os 80% no caso dos alunos de origem turca e marroquina. Para os investigadores do estudo, publicado em 2012 e citado pelo jornal De Staandard, os resultados indicam que os imigrantes turcos e árabes são mais estigmatizados do que os alunos de outras nacionalidades.

No Luxemburgo há cerca de 100 mil portugueses, que representam cerca de 20 por cento da população no país.

Segundo dados do Ministério da Educação do Luxemburgo, o português é a segunda língua materna mais falada nas escolas do país, com 28,9% de falantes, a seguir ao luxemburguês, com 39,8%, mas à frente dos outros dois idiomas oficiais do Grão-Ducado, francês (11,9% de falantes) e alemão (2%).

Os portugueses representam mais de vinte por cento dos alunos na maioria dos níveis de ensino no país, uma percentagem que no ensino secundário técnico ronda os 28 por cento, segundo dados do Ministério da Educação de 2012/2013.

Paula Telo Alves


Notícias relacionadas

A Escola Internacional de Differdange (EIDD) começa a funcionar na segunda-feira, dia 12 de Setembro. Os alunos das primeiras nove turmas chegam este mês e, gradualmente, virão os restantes 1.400 até 2018, ano em que a escola deverá estar definitivamente concluída. Para este primeiro ano lectivo foram contratados 18 professores.
Os portugueses são a segunda nacionalidade mais representada na nova escola, com 25 alunos entre os 110 inscritos. Apesar disso, por falta de interesse na língua portuguesa, a escola arranca sem aulas de português no primário
TRIBUNA LIVRE, por Paulo Pisco - Portugal e o Luxemburgo são países amigos e importantes um para o outro, unidos não apenas pela História, dado que a grã-duquesa Maria Ana era portuguesa, filha de D.Miguel I, e porque, posteriormente, durante a Segunda Guerra Mundial, a família grã-ducal esteve exilada em Portugal, mas também porque nas últimas décadas os portugueses no grão-ducado foram construindo laços que são hoje de tal forma sólidos, que a nossa comunidade é parte incontornável na economia, na sociedade e na política luxemburguesa.
O deputado Paulo Pisco