Escolha as suas informações

Carole Dieschbourg: O “Luxemburgo tem orgulho em fazer parte” do Acordo de Paris
Luxemburgo 23.04.2016 Do nosso arquivo online

Carole Dieschbourg: O “Luxemburgo tem orgulho em fazer parte” do Acordo de Paris

A ministra do Ambiente, Carole Dieschbourg, apelou a uma aliança entre a sociedade civil e os agentes privados

Carole Dieschbourg: O “Luxemburgo tem orgulho em fazer parte” do Acordo de Paris

A ministra do Ambiente, Carole Dieschbourg, apelou a uma aliança entre a sociedade civil e os agentes privados
Foto: Chris Karaba
Luxemburgo 23.04.2016 Do nosso arquivo online

Carole Dieschbourg: O “Luxemburgo tem orgulho em fazer parte” do Acordo de Paris

A ministra do Ambiente, Carole Dieschbourg, esteve em Nova Iorque na cerimónia de assinatura do Acordo de Paris contra as alterações climáticas. Num comunicado do Governo, Dieschbourg afirmou que o “Luxemburgo tem orgulho em fazer parte” da assinatura do acordo e assegura que vai fazer o que for necessário para ratificá-lo. Contudo, peso dos impostos ambientais no Grão-Ducado continua a ser um dos mais baixos da União Europeia.

A ministra do Ambiente, Carole Dieschbourg, esteve em Nova Iorque na cerimónia de assinatura do Acordo de Paris contra as alterações climáticas. Num comunicado do Governo, Dieschbourg afirmou que o “Luxemburgo tem orgulho em fazer parte” da assinatura do acordo e assegura que vai fazer o que for necessário para ratificá-lo. Contudo, peso dos impostos ambientais no Grão-Ducado continua a ser um dos mais baixos da União Europeia.

“Nunca tantos Estados assinaram um tratado internacional desde o primeiro dia de negociações”, pode ler-se no documento. No total, foram 175 países que assinaram ontem o acordo concluído em Dezembro.

A ministra garante que quando regressar de Nova Iorque vai lançar todos os procedimentos necessários para permitir a ratificação do acordo no Outono deste ano. “Neste cenário, é essencial uma associação entre a sociedade civil e os agentes privados”, apela.

A responsável recorda ainda algumas das medidas que têm sido implementadas pelo Governo em prol do ambiente como os investimentos públicos nos transportes públicos, a reforma fiscal que favorece a compras de carros menos poluentes e de bicicletas ou a duplicação de produção de energia eólica.

No entanto, o peso dos impostos ambientais no total das receitas do Estado luxemburguês é ainda pouco significativo. Segundo, o gabinete de estatísticas da União Europeia (UE), os impostos ambientais – sobre a energia, transportes e poluição - representavam 5,2% do total da receita, menos três pontos percentuais do que os 8,2% registados em 2004. Esta é uma das maiores quebras da União Europeia (UE) e faz com que o Grão-Ducado fique abaixo da média europeia que se situa nos 6,3%.

O gabinete de estatísticas da UE explica que este é um dos indicadores utilizados para monitorizar a implementação da estratégia europeia para uma utilização eficiente dos recursos. Ora, este plano recomenda que a percentagem dos impostos ambientais deve ser superior a 10%.


Notícias relacionadas

Os impostos do futuro
Vêm aí novos impostos. A ideia parece certa, mas não se sabe ainda quando nem como. A culpa é da saída do Reino Unido da União Europeia. É que o grupo dos 27 vai ter de arranjar forma de compensar a redução que o Brexit vai provocar no orçamento comunitário.