Escolha as suas informações

Câmara dos Ofícios quer reabertura do pequeno comércio a 11 de maio
Luxemburgo 02.05.2020 Do nosso arquivo online

Câmara dos Ofícios quer reabertura do pequeno comércio a 11 de maio

Câmara dos Ofícios quer reabertura do pequeno comércio a 11 de maio

Foto: Guy Wolff
Luxemburgo 02.05.2020 Do nosso arquivo online

Câmara dos Ofícios quer reabertura do pequeno comércio a 11 de maio

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Cabeleireiros, centros de beleza, fotógrafos ou ainda stands de automóveis devem poder reabrir no dia 11 de maio. A reivindicação é da Câmara dos Ofícios (Chambre des Métiers, na denominação em francês).

Consciente de que a pandemia da covid-19 representa também um desafio político e económico para além da saúde pública, a Câmara dos Ofícios lembra, contudo, que o setor da construção civil retomou a atividade a 20 de abril, enquanto a da indústria manufatureira, por cá designada de setor do artesanato, está paralisada há cerca de sete semanas.

A instituição apela ao governo para que decrete a retoma da atividade do pequeno comércio para 11 de maio, assegurando que as medidas de segurança, como o uso de máscara e o distanciamento social, vão ser respeitadas, tal como acontece no setor da construção civil.

Esta entidade que representa cerca de 22% das empresas do Grão-Ducado considera que não há motivos para que o pequeno comércio mantenha as portas fechadas, tendo em conta a diminuição do número de novos casos de covid-19 nos últimos dias no Luxemburgo. Argumenta ainda que as empresas estão agora preparadas para fazer face à pandemia, tendo realizado formações sobre medidas sanitárias com vista à proteção de trabalhadores e clientes.

A indústria manufatureira é composta por cerca de 7.460 pequenas e médias empresas (PME), empregando perto de 95.000 pessoas. Trata-se do maior setor de atividade do país. 

Com um volume de negócios superior a 11 mil milhões de euros, este setor cria anualmente mais de 10% da riqueza nacional.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Há mais ajudas financeiras para as empresas luxemburguesas
A Câmara dos Deputados aprovou um novo pacote financeiro para cobrir os custos fixos e compensar os patrões pelo aumento do salário social mínimo. Para médias e grandes empresas o subsídio pode chegar aos 200 mil euros. Também há novidades no desemprego parcial.
Procuram-se 9.400 trabalhadores para a indústria manufatureira
Só na construção civil são precisos mais cinco mil trabalhadores. Para atrair mão de obra estrangeira, a Câmara dos Ofícios propõe que as empresas do setor privado possam construir alojamentos para os seus trabalhadores, beneficiando de subsídios públicos.