Escolha as suas informações

Cada vez mais portugueses escolhem ser sepultados no Luxemburgo
Luxemburgo 2 min. 06.01.2017 Do nosso arquivo online

Cada vez mais portugueses escolhem ser sepultados no Luxemburgo

Cada vez mais portugueses escolhem ser sepultados no Luxemburgo

Ilustração: Florin Balaban
Luxemburgo 2 min. 06.01.2017 Do nosso arquivo online

Cada vez mais portugueses escolhem ser sepultados no Luxemburgo

Não é uma pergunta que se faça todos os dias. “Onde preferia ser sepultado ou cremado?”. A resposta faz parte de uma análise do CEFIS e pode ser “um indicador essencial do apego dos imigrantes” ao Luxemburgo ou ao país natal.

Não é uma pergunta que se faça todos os dias. "Onde preferia ser sepultado ou cremado?". A resposta faz parte de uma análise do Centro de Estudos e de Formação Intercultural e Social (CEFIS), divulgada na quarta-feira, e pode ser "um indicador essencial do apego dos imigrantes" ao Luxemburgo ou ao país natal.

O estudo "Envelhecimento dos migrantes: partir, ficar, envelhecer no Luxemburgo" analisou vários indicadores da ligação ao Grão-Ducado dos imigrantes, incluindo portugueses, cabo-verdianos, italianos, franceses, belgas e da ex-Jugoslávia. Para os cidadãos de países da União Europeia, a tendência é a mesma: a maioria preferia ser sepultada no Grão-Ducado.

Esse é também o caso dos portugueses questionados: 38,4% querem ser enterrados no Luxemburgo, contra apenas 22,1% em Portugal. A percentagem de indecisos ronda os 40%, tal como para os restantes imigrantes da UE, "mostrando a dificuldade que os europeus têm em se debruçar sobre estas questões", sublinham os investigadores. Mas o elevado número de indecisos também põe em causa "a fiabilidade das projeções estatísticas", alerta o CEFIS. Trocado em miúdos, não se pode extrapolar os resultados do inquérito para a realidade.

Os responsáveis das agências funerárias ouvidos pelo Contacto contrariam os dados da sondagem: a maioria dos portugueses continua a escolher Portugal como a última morada. Mas a tendência começa a mudar. Para as famílias que têm filhos e netos no Grão-Ducado, o pêndulo começa a inclinar-se para os funerais no país de acolhimento.

Aviões continuam a transportar corpos de muitos portugueses

Pedro Almas está à frente da agência funerária Pompes Funèbres Portugaises International, criada há três anos em Esch, e já perdeu a conta às piadas que ouviu ao seu nome. "Já me perguntaram se era um pseudónimo para fazer marketing", conta ao Contacto. O proprietário da agência funerária garante que a maioria dos portugueses continua a preferir ser enterrada em Portugal, mas diz que as coisas estão a mudar. "Em três anos, foi o ano em que fiz mais funerais de portugueses no Luxemburgo", 11 no total. "Ainda esta semana fiz o funeral de uma pessoa de 57 anos aqui no Luxemburgo", conta. (...)

Paula Telo Alves

Leia o artigo na íntegra na edição do Contacto desta semana.


Notícias relacionadas

Os portugueses no Grão-Ducado representam 16,4% da população, segundo os dados do Statec, que contabiliza 96.800 mil imigrantes no país. Mas os registos consulares dão conta de 113 mil, o que corresponde a 19% do total da população do Grão-Ducado, segundo o Relatório da Emigração, divulgado hoje.
A proposta é da repórter de imagem Dominique da Silva. A portuguesa, que nasceu no Luxemburgo, filmou as férias em Portugal dos imigrantes portugueses para uma série de reportagens que vão ser transmitidas na RTL. É a história da primeira geração, dividida entre Portugal e o Luxemburgo, e a dos seus filhos e netos. E é também a história da mulher por trás da câmara.
Dominique da Silva é a única mulher atrás das câmaras no Luxemburgo
Há mais emigrantes qualificados a chegar ao Grão-Ducado e já não vêm só das tradicionais regiões de partida, o interior norte e centro do país. Em contrapartida, a precariedade aumentou nos últimos anos e há muitos a viver situações difíceis, alertam os autores do estudo Remigr, que traça um retrato da nova vaga de imigração portuguesa no Luxemburgo.
Illustration - Vote des etrangers - Photo : Pierre Matge
O CONTACTO festeja este ano o seu 45° aniversário. O jornal foi fundado em Janeiro de 1970, para informar a comunidade portuguesa no Luxemburgo. Ao comemorarmos esta data, surgiu-nos uma questão natural. Em que ano exacto situar o início da emigração portuguesa para o Luxemburgo?
Em Junho de 1965 uma missa na catedral do Luxemburgo juntou meio milhar de portugueses para celebrar pela primeira vez o Dia de Portugal no Grão-Ducado.
Depois disso houve um almoço eu ma festa. Foi o primeiro evento organizado pela comunidade portuguesa no Grão-Ducado de que há registo