Escolha as suas informações

Brexit pode provocar falta de medicamentos no Luxemburgo

Brexit pode provocar falta de medicamentos no Luxemburgo

Foto: Pixabay
Luxemburgo 2 min. 14.06.2019

Brexit pode provocar falta de medicamentos no Luxemburgo

Não há informação sobre quais os medicamentos que serão afetados.

Se o Reino Unido sair da União Europeia sem um acordo, o Luxemburgo poderá deparar-se com anomalias nas entregas e ainda uma rutura de stock de medicamentos, admitiu esta sexta-feira o ministro da Saúde, Étienne Schneider. "O Luxemburgo enfrentará, tal como os seus vizinhos belgas, alemães e franceses, um risco potencial de escassez de certos medicamentos afetados pelo Brexit", explicou o ministro da Saúde, num discurso que contradiz as suas observações optimistas sobre o mesmo assunto, no mês passado.


Duzentos luxemburgueses querem continuar a viver no Reino Unido após o Brexit
Entre portugueses houve 52.400 pedidos de residência.

Os medicamentos em questão são sobretudo aqueles que não estão em conformidade com as normas europeias em vigor. As empresas farmacêuticas que fabricam estes medicamentos e estão estabelecidas no Reino Unido terão de transferir as suas atividades para o território da UE, antes do dia 31 de outubro, prazo acordado para a concretização do Brexit, alertou o ministro. Um exemplo é a Agência Europeia de Medicamentos (EMA), que se mudou da capital britânica para Amesterdão.

"Estão previstas várias medidas transitórias para facilitar a transferência das atividades das empresas farmacêuticas e para que os medicamentos fiquem em conformidade com as normas farmacêuticas", explicou Étienne Schneider, acrescentando que "as autoridades do Luxemburgo estão a colaborar estritamente com a EMA e com as outras autoridades competentes dos Estados-Membros, de forma a antecipar as perturbações no fornecimento de medicamentos devido à saída do Reino Unido da UE".


Brexit alavanca lucros das seguradoras luxemburguesas
O setor dos seguros no Luxemburgo vai de vento em popa, em parte graças às consequências da saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit).

Atualmente, é impossível determinar quais os medicamentos fabricados no Reino Unido e comercializados no Luxemburgo que irão ser mais prejudicados pelo Brexit. Segundo o ministro da Saúde, este seria "um exercício muito trabalhoso e inútil devido ao rápido progresso no cumprimento das normas de medicamentos" e também devido à incerteza em torno do desfecho final do Brexit.

Apesar de a França estar a passar por uma escassez emergente de medicamentos e vacinas, Étienne Schneider assegura que essa situação "em princípio não deve ser temida" no Luxemburgo. Em setembro, o ministro da Saúde irá divulgar mais detalhes sobre esta questão, a menos que, entretanto, o Brexit seja adiado ou definido um acordo para a saída do Reino Unido da UE. 


Notícias relacionadas

Deputados luxemburgueses discutem acordo para o Brexit
O debate acontece na sequência de um pedido dos deputados Claude Wiseler e Laurent Mosar, do Partido Cristão Social (CSV), que consideram necessário discutir a posição do Luxemburgo relativamente ao acordo que vai consumar a separação entre Londres e Bruxelas.