Escolha as suas informações

Brexit. Luxemburgo vai adotar “abordagem generosa”
Luxemburgo 12.03.2019

Brexit. Luxemburgo vai adotar “abordagem generosa”

Brexit. Luxemburgo vai adotar “abordagem generosa”

Foto: DPA
Luxemburgo 12.03.2019

Brexit. Luxemburgo vai adotar “abordagem generosa”

Num cenário de "no -deal", os britânicos que vivem e trabalham no Grão-Ducado vão ter tempo para se adaptar ao novo estatuto.

Já são conhecidos alguns detalhes sobre o projeto de lei que vai ditar o futuro dos cerca de 4.600 cidadãos britânicos que vivem no Luxemburgo, depois de o Reino Unido abandonar a União Europeia (UE). O Ministério dos Negócios Estrangeiros fala numa “abordagem generosa”.

Enquanto o Parlamento britânico se prepara para votar, uma vez mais, o acordo do Brexit, por cá prosseguem os trabalhos legislativos. Um representante do ministério de Jean Asselborn esteve ontem no Parlamento a esclarecer os deputados da respetiva comissão sobre o projeto de lei que entrará em vigor no caso de uma saída ordenada do Reino Unido da UE. 


Brexit. "Não haverá mais oportunidades" se o Parlamento britânico chumbar o acordo
Aviso foi deixado pelo Presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, ao lado de Theresa May, após assegurar as garantias pedidas pelo Governo de Londres.

Recorde-se que o acordo, submetido hoje a votos no Parlamento britânico, prevê uma fase de transição até 31 de dezembro de 2020, data até à qual os britânicos poderão usufruir de todos os direitos europeus, incluindo a liberdade de circulação. A partir de 1 de janeiro de 2021, os britânicos serão considerados como cidadãos oriundos de países terceiros, passando por isso a necessitar de uma autorização de residência para poderem permanecer num dos Estados-membros da UE. Segundo o projeto de lei de Jean Asselborn, os cerca de 4.600 britânicos a viver no Grão-Ducado terão até ao dia 31 de dezembro de 2020 para pedir essa autorização (a chamada “carte de séjour”, em francês). 

Caso não haja acordo entre Londres e Bruxelas, os residentes britânicos vão dispor de algum tempo para regularizar a sua situação, algo que o Ministério dos Negócios Estrangeiros descreve como uma “abordagem generosa” ao Brexit. Na prática, vão poder continuar a viver e a trabalhar no Luxemburgo, sem a dita autorização, durante um ano. Em sentido inverso, os luxemburgueses radicados no Reino Unido deverão beneficiar da mesma abertura. 

Mesmo assim, o Grão-Ducado está preparado para legislar no caso de “no deal”. Um projeto de lei para proteger a praça financeira será discutido pelos membros da comissão parlamentar das finanças na sexta-feira, ao passo que os da comissão do ensino analisam amanhã um texto que visa reconhecer automaticamente as qualificações de determinados profissionais da saúde.   

Diana Alves


Notícias relacionadas

Parlamento britânico rejeita saída da UE sem acordo
Assim, e com a opção de sair sem acordo rejeitada pelos deputados britânicos, na quinta-feira a Câmara dos Comuns deverá votar um pedido à UE de prorrogação do processo do ‘Brexit' para depois de 29 de março.