Escolha as suas informações

Brexit: Ingleses a viver no Luxemburgo querem ficar na UE
Luxemburgo 4 min. 22.06.2016

Brexit: Ingleses a viver no Luxemburgo querem ficar na UE

Brexit: Ingleses a viver no Luxemburgo querem ficar na UE

Foto: Reuters
Luxemburgo 4 min. 22.06.2016

Brexit: Ingleses a viver no Luxemburgo querem ficar na UE

Os ingleses que vivem no Luxemburgo estão preocupados. Se o Reino Unido sair da União Europeia, podem ser obrigados a abandonar o país. A decisão de quinta-feira pode afectar seis mil britânicos a viver no Grão-Ducado.

Os ingleses no Luxemburgo estão a acompanhar as sondagens sobre o Brexit com a mesma ansiedade com que vêem os jogos do Euro 2016. De olhos postos no jogo Inglaterra-Eslováquia, Kieron, vestido com a camisola vermelha da selecção inglesa, diz que sair da União Europeia seria "o maior erro" que o Reino Unido poderia fazer.

"Todas as vozes influentes na economia, tanto as empresas com negócios no Reino Unido como no resto do mundo, dizem que devíamos ficar na União Europeia, e isso diz tudo", defende.

Kieron tem passaporte inglês mas vive no Luxemburgo desde os 12 anos. Caso a decisão de abandonar a UE vença no referendo de quinta-feira, vai ter se naturalizar. "Eu vivo no Luxemburgo há 30 anos e falo luxemburguês, por isso suponho que não fosse difícil obter a nacionalidade luxemburguesa, mas há muitos ingleses no país que não estão nesta situação".

No White Rose, um bar inglês na zona da Gare, o proprietário também deita contas à vida. "Se deixarmos a União Europeia, eu deixo de ser um cidadão europeu e posso ser obrigado a sair do Luxemburgo", antecipa Craig Harker. "E como é que vou fazer para viajar para outros países? Eu vou muitas vezes a França e à Alemanha, por causa dos meus fornecedores, e se sairmos da UE vou precisar de um visto", explica.

Ao balcão do White Rose, Leslie e James, que trabalham nos serviços financeiros, também querem ficar na União Europeia. Com passaporte inglês mas a viver na ilha de Jersey, ambos viajam com frequência para o Luxemburgo, e acham que sair da UE teria um impacto negativo na economia do Reino Unido. "Acho que seria um erro deixarmos a UE. Há muitas vantagens em fazer parte de uma comunidade", defende Leslie.

O proprietário do White Rose garante que todos os clientes ingleses que passam pelo bar querem ficar na União Europeia. "Sair da UE seria uma decisão de loucos, causaria imensos problemas. Todos os meus clientes querem ficar. Tenho amigos a viver em Espanha há muitos anos e eles também estão em pânico".

Este inglês de Newcastle, no Norte da Inglaterra, chegou ao Grão-Ducado há 11 anos. No 'pub' inglês que explora há uma década, todas as televisões transmitiam o jogo entre a Inglaterra e a Eslováquia, esta segunda-feira.

"Apostei 50 euros que ganhávamos", conta Craig ao CONTACTO. E quem acha que vai ganhar no referendo? "Eu quero ficar na União Europeia, mas acho que o resultado vai ser a favor da saída. A minha família e os meus amigos em Inglaterra vão todos votar a favor da saída".

O jogo acabaria por ficar empatado 0-0, e as últimas sondagens sobre o Brexit também apontam para um empate. Segundo o Financial Times, há 44% por cento de intenções de voto tanto a favor do Brexit ("British exit", ou saída) como da permanência na União Europeia. Há 12% de indecisos.

Medo da imigração pode decidir referendo

Para Craig Harker, o que vai determinar o resultado é "o medo da imigração". "As pessoas têm imenso medo da imigração. O debate foi todo em torno da imigração, mas as pessoas não estão a ver o filme todo, só falam de imigração", lamenta.

Laura, uma enfermeira inglesa que já nasceu no Luxemburgo, acha que o público inglês não está bem informado. "Não percebo por que é que eles são contra a imigração – a imigração trouxe imensas vantagens ao Luxemburgo", defende.

E os argumentos a favor do reforço da fiscalização das fronteiras não a convencem. "Ontem, num debate na televisão, o Cameron dizia que ia reforçar a fiscalização e que os imigrantes iam ter de encontrar emprego no prazo de seis meses ou abandonar o país. Mas essas regras já existem nos outros países da UE", aponta. "É uma mentalidade de ilha, e isso irrita-me".

A enfermeira inglesa, que tem dupla nacionalidade, vai estar no Reino Unido no dia do referendo, para visitar os pais, reformados. "Eles vão votar a favor de ficarmos na UE, mas eu tenho um pressentimento que a saída vai vencer. Mas pode ser que me engane: quando foi do referendo na Escócia, também achava que eles iam sair, e depois foi o que se viu".

Kieron acha que a morte de Jo Cox, a deputada do Partido Trabalhista esfaqueada e baleada por um radical de extrema-direita, pode ter alterado o curso do referendo. "Foi uma coisa muito triste, mas ela fazia campanha pela permanência, e isso pode vir a ajudar o lado que quer ficar na UE".

No Luxemburgo vivem cerca de seis mil britânicos, segundo dados da Embaixada do Reino Unido no Grão-Ducado.

Paula Telo Alves


Notícias relacionadas