Escolha as suas informações

Brexit: Britânicos no Luxemburgo tentam obter passaporte luxemburguês

Brexit: Britânicos no Luxemburgo tentam obter passaporte luxemburguês

Luxemburgo 4 min. 28.06.2016

Brexit: Britânicos no Luxemburgo tentam obter passaporte luxemburguês

A saída anunciada da UE fez aumentar o número de pedidos de naturalização dos cidadãos britânicos que vivem no Luxemburgo e a procura de cursos de luxemburguês.

Os resultados do referendo no Reino Unido estão a levar os britânicos no Luxemburgo a tentar obter o passaporte luxemburguês. No Ministério da Justiça, desde que foram conhecidos os resultados, o telefone toca várias vezes ao dia com pedidos de informação de imigrantes do Reino Unido no país. "Desde sexta-feira temos recebido bastantes chamadas de britânicos que querem saber o que têm de fazer para se naturalizar", disse ao CONTACTO fonte do Ministério da Justiça.

Mas os telefonemas já começaram há várias semanas, à medida que a data do referendo se aproximava. "Já antes do referendo tínhamos chamadas de britânicos com receio do que podia acontecer", disse a mesma fonte.

O número de pedidos de naturalização tem estado a aumentar desde o início do ano. Em Janeiro, houve apenas cinco pedidos de naturalização de britânicos. Em Junho, esta segunda-feira, já chegavam aos 20.

No Luxemburgo vivem cerca de seis mil britânicos, segundo dados da Embaixada do Reino Unido. Desde que a lei da dupla nacionalidade entrou em vigor, em 2009, 393 britânicos obtiveram a cidadania luxemburguesa – uma média de 56 por ano. Este ano, o Ministério da Justiça já registou 66 pedidos de naturalização de cidadãos do Reino Unido, quando ainda faltam seis meses para o ano acabar.

O recorde de naturalizações dos britânicos foi em 2015, quando 75 pessoas obtiveram a nacionalidade luxemburguesa. Por causa do Brexit, este ano o número de pedidos já vai em 66, e "a tendência é para aumentar", diz a mesma fonte.

Procura de cursos de luxemburguês também aumenta

Para obter o passaporte do Luxemburgo, os candidatos devem fazer um teste de Luxemburguês e apresentar um certificado de conhecimento da língua. Angus Lord não perdeu tempo. Na sexta-feira, pouco depois de saber que a maioria dos britânicos votara na saída do Reino Unido da União Europeia, o programador informático inglês registou-se nos cursos de Luxemburguês do Instituto Nacional de Línguas. Bastaram alguns cliques para fazer a inscrição através da internet.

O inglês de 43 anos vive no Grão-Ducado desde Novembro de 1999, e diz que foi o referendo que o levou a pedir a nacionalidade luxemburguesa. "É uma segurança. Com o Reino Unido fora da União Europeia, não sabemos se vamos ter de obter uma autorização de trabalho ou pedir vistos para viajar, e ter a nacionalidade [luxemburguesa] facilita tudo", explica.

Não é caso único. No Instituto Nacional de Línguas (INL) já se notam os efeitos do Brexit. "Temos de facto mais pedidos de informação sobre os cursos de Luxemburguês por parte de pessoas com nacionalidade britânica do que habitualmente", disse ao CONTACTO a directora do INL, Karin Pundel. Só na segunda-feira, "uma dezena de pessoas pediram informação sobre os testes para obter a nacionalidade e os cursos de Luxemburguês", avançou a responsável.

Brexit faz disparar corrida a passaportes da UE

Ter passaporte de um país da União Europeia confere ao seu detentor o direito de trabalhar e residir em todos os Estados-membros. Um direito que os britânicos deverão perder com a saída da UE. Até a saída se concretizar – no prazo de dois anos após a intenção de sair ser notificada ao Conselho Europeu –, os britânicos mantêm todos os direitos dos cidadãos europeus, mas o pânico levou já milhares de pessoas a tentar obter um passaporte da UE.

Os mais cobiçados e fáceis de obter são os passaportes irlandeses, que não exigem testes de língua e podem ser pedidos por filhos e netos de irlandeses. Esta segunda-feira, a Embaixada da Irlanda recebeu quatro mil pedidos de informação sobre o processo, comparado com os 200 que recebe em média diariamente, segundo a Reuters. A explosão de pedidos quase paralisou os serviços consulares irlandeses, levando mesmo o ministro dos Negócios Estrangeiros da Irlanda a apelar à calma. O ministro irlandês recordou que os direitos de que os britânicos gozam enquanto cidadãos europeus não vão "acabar abruptamente", sublinhando que "o aumento desnecessário de pedidos de passaportes irlandeses coloca uma pressão significativa nos serviços e aumenta os tempos de espera".

De acordo com o Guardian, milhares de britânicos a viver na União Europeia também estão a pensar obter um segundo passaporte nos países onde estabeleceram residência, para garantir os seus direitos.

No Reino Unido, a insegurança também está a levar muitos cidadãos comunitários a tentar obter a nacionalidade britânica. Nos últimos dias, o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas apelou aos portugueses que vivem no Reino Unido para acautelarem os seus direitos, solicitando a dupla nacionalidade, no caso de preencherem os requisitos.

Paula Telo Alves


Notícias relacionadas