Escolha as suas informações

Breves Luxemburgo 27.03.2019

Brasil anuncia envio de avião com ajuda humanitária para Moçambique

O anúncio foi feito durante uma audição parlamentar a Ernesto Araújo na câmara baixa do Congresso, com o chefe da Diplomacia brasileira a garantir que o país já está a mobilizar ajuda para Moçambique.

"Já mobilizamos 100 mil euros em favor de Moçambique. Nas próximas 48 horas estamos enviando um avião com ajuda humanitária, basicamente assistência médica e uma equipa de bombeiros para contribuir com o trabalho que está sendo realizado em Moçambique", disse o ministro.

"Veremos o que mais podemos fazer, inclusive explorando a possibilidade de cooperação triangular, ou seja, sabemos que carecemos de recursos, mas temos a capacidade operacional para fazer ações. Podemos mobilizar outros países, por exemplo, os Estados Unidos, para oferecer mais ajuda a Moçambique", acrescentou.

Breves Sociedade Hoje às 09:42

OGBL organiza conferência sobre proteção social em Cabo Verde

A Organização Não Governamental "OGBL Solidarité Syndicale" organiza hoje uma conferência aberta ao público sobre a proteção social em Cabo Verde.

O encontro está marcado para as 18h, na sede da comuna de Ettelbruk.

A conferência insere-se no quadro do projeto "SENS 2019" da OGBL, financiado pela cooperação luxemburguesa, e tem como principal objetivo "ilustrar a importância do desenvolvimento e da defesa da proteção social, em prol de uma sociedade moderna", refere o sindicato em comunicado.

Entre os oradores presentes, destacam-se o membro do comité executivo da OGBL, Carlos Pereira, e o antigo diretor de Inspeção Geral da Segurança Social, Raymond Wagener.

Do lado de Cabo Verde, participam no evento o sociólogo e agente local do projeto "centro de formação sindical" da OGBL, Nardi Sousa, e a coordenadora nacional para a proteção social do arquipélago, junto da Organização Mundial do Trabalho, Joana Borges Henriques.

HB

Breves Mundo 20.11.2019

Crianças são quase metade dos deslocados internos no mundo

 Os números foram avançados pelo Centro de Controlo de Deslocamentos Internos (IDMC, na sigla em inglês), no mesmo dia em que a Convenção sobre os Direitos da Criança (1989) assinala 30 anos da sua adoção pelas Nações Unidas.

Entre os cerca de 17 milhões de menores deslocados internos no mundo, forçados a fugir das respetivas casas por causa de guerras ou outras crises mas que ainda permanecem nos respetivos países, cinco milhões têm menos de 5 anos de idade, segundo os mesmos dados desta organização com sede em Genebra.

Metade do total das crianças deslocadas internas estão na região da África subsaariana, sendo que a Síria é o país mais afetado por esta questão, com 2,2 milhões de menores deslocados internamente.

República Democrática do Congo, Colômbia, Somália, Afeganistão, Nigéria, Iémen e Etiópia são os outros países que ultrapassam a fasquia de um milhão de menores deslocados internos, indicaram os mesmos dados.

Perante tais números, "qualquer tentativa de abordar e prevenir o deslocamento interno deveria concentrar-se nas crianças e, no entanto, muitas vezes são invisíveis na altura de recolher dados e no debate político sobre este problema", afirmou a diretora do IDMC, Alexandra Bilak.

A organização destacou que os deslocamentos internos afetam a segurança, a saúde e a educação das crianças envolvidas, lembrando um estudo recente conduzido em campos de refugiados na Etiópia, onde os professores revelaram que os alunos apresentavam traumas psicológicos, atitudes agressivas e sinais de stress.

O IDMC mencionou ainda que os menores deslocados internos "correm um risco particularmente alto de sofrerem abusos, de serem esquecidos, de contraírem doenças e de caírem na pobreza".

Como tal, apelou Alexandra Bilak, estas crianças "precisam de um apoio especial por parte dos Governos".

Breves Portugal 20.11.2019

Porto é o concelho com mais casos de infeção VIH/Sida

O relatório foi elaborado por um Grupo de Trabalho constituído pelos Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES) da cidade do Porto, pelos Centros de Respostas Integradas (CRI) e pelo Departamento de Saúde Pública (PRVIH/Sida) da ARS Norte, tendo-se centrado na elaboração de um diagnóstico da situação atual.

Segundo a ARS Norte, o estudo pretendeu atualizar a caracterização do fenómeno das dependências e identificar as respostas necessárias, "de forma a sustentar a necessidade de uma nova estratégia para a cidade do Porto, na área da redução de riscos e da minimização de danos".

Ainda de acordo com aquela entidade, o Relatório Técnico "Proposta de Intervenção no Âmbito da Redução de Riscos e Minimização de Danos para a Cidade do Porto", aponta para a existência de cerca de 600 consumidores a céu aberto na cidade, registando-se uma grande incidência de infeção por VIH/Sida.

"O concelho do Porto é o concelho da região Norte com maior incidência da infeção VIH (cerca de 25 novos casos por cada 100.000 habitantes, por ser a malha mais urbana com uma tendencial maior prevalência deste fenómeno", aponta a ARS Norte, em resposta à Lusa.

Com base neste estudo foi elaborada uma proposta de intervenção que inclui "a implementação faseada de um programa de Consumo Vigiado".

Esta proposta, que está a ser "negociada" com os parceiros da ARS Norte nesta matéria, tem como objetivo reduzir o número de consumos na via pública, bem como a reversão de overdoses e o acesso a cuidados de saúde para os utilizadores.

 Lusa

Breves Economia 19.11.2019

easyJet quer ser a primeira a alcançar a neutralidade carbónica

A easyJet quer ser a primeira companhia aérea a conseguir a neutralidade carbónica através das compensações. A empresa low cost anunciou uma parceria com o construtor europeu Airbus na investigação de um avião híbrido.

Para atingir a neutralidade carbónica, a easyJet vai investir quase 30 milhões de euros em projetos ambientais - como a reflorestação - e em energias renováveis. Esta será a forma de compensar as emissões de dióxido de carbono dos seus voos.

Estas soluções serão, no entanto, temporárias, como explicou a companhia aérea em comunicado. Até lá a easyjet compromete-se a construir aviões elétricos e hibrídos.

Breves Luxemburgo 19.11.2019

Cruz Vermelha à procura de novos dadores de sangue

(AG) - A Cruz Vermelha Luxemburguesa acaba de lançar mais uma campanha de sensibilização para atrair novos dadores de sangue.

A instituição pode sempre contar com os habituais voluntários mas eles já são escassos para dar vazão à procura.

O principal objetivo desta ação de outono é angariar novos dadores, para salvar mais vidas.

Houve 13.000 dadores em 2018 mas a Cruz Vermelha quer mais e aposta forte nesta campanha de sensibilização para garantir um acréscimo de voluntários.

Os tratamentos oncológicos são os que exigem mais sangue novo, num país onde são detetados 3 000 novos casos de cancro por ano.

A transfusão de sangue é fundamental, nestes casos, para compensar os efeitos secundários extremamente agressivos da quimioterapia e da radioterapia.

Mais informações em www.croix-rouge.lu.