Escolha as suas informações

Bettel. "Não é tempo para passeios em família nos centros comerciais"
Luxemburgo 2 min. 09.12.2020 Do nosso arquivo online

Bettel. "Não é tempo para passeios em família nos centros comerciais"

Bettel. "Não é tempo para passeios em família nos centros comerciais"

Anouk Antony/Luxemburger Wort
Luxemburgo 2 min. 09.12.2020 Do nosso arquivo online

Bettel. "Não é tempo para passeios em família nos centros comerciais"

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
O Governo vai impor novas regras de circulação nas grandes superfícies comerciais para evitar ajuntamento de clientes. Passa também a ser proibido comer nesses locais.

Com o Natal a aproximar-se os centros comerciais e os supermercados têm estado cheios de clientes ao fim de semana para as habituais compras de presentes. Uma afluência que constitui um risco grande de contágios como declararam Xavier Bettel e Paulette Lenert na conferência desta tarde. Por isso, as grandes superfícies vão conhecer novas regras para uma circulação mais restrita.

“Não é tempo para passeios em família nos centros comerciais”, vincou Xavier Bettel. “Vamos ao centro comercial para fazer compras. E há que ir sozinho, e fazer as compras o mais rapidamente possível” cumprindo todas as medidas e regras de prevenção, adiantou a ministra da Saúde, Paulette Lenert.

Anouk Antony/Luxemburger Wor

“Se chego ao centro comercial e está uma fila enorme, volto para casa”, e regresso depois, exemplificou Bettel sublinhando que o problema é o dia de sábado onde o fluxo de clientes é muito grande. 


IPO,Conseil de Gouvernement. Xavier Bettel & Paulette Lenert.Foto: Gerry Huberty/Luxemburger Wort
Famílias sem consoada no Luxemburgo
O primeiro-ministro afirmou esta tarde que o confinamento parcial vai durar até pelo menos 15 de janeiro. Não haverá relaxamento das medidas no Natal e Ano Novo.

Proibido comer nos centros comerciais

Dentro das grande lojas e shoppings passa a ser proibido consumir os produtos alimentares que ali se compra. Porque para comer é preciso tirar a máscara e o contágio pode acontecer. 

“Não sabemos onde as pessoas são infetadas e não podemos correr riscos”, pediu Paulette Lenert, acrescentando que há mesa do restaurante ou em reuniões familiares, onde as pessoas estão sem máscara e falam os perigos são enormes.

“A situação é séria” apesar de se ter controlado a curva exponencial, e os “números indicarem que estamos na direção correta”, mas a taxa de novas infeções continua “muito elevada”. “Temos de baixar o número das novas infeções”, disse a ministra.


Centros comerciais cheios. Governo pede às pessoas para "agirem de forma responsável"
Lex Delles pede às pessoas para evitarem "horas de ponta" quando estas, na teoria, não deveriam acontecer em tempo de confinamento.

Não se sabe quais medidas fazem efeito

A governante frisou que os números baixaram sensivelmente e que tal aconteceu devido à imposição das novas restrições. Contudo, não sabe “quais as medidas que surtiram efeito e as que não surtiram”. “Nem os especialistas, nem nós, ninguém sabe quais as medidas que funcionam. Não há base científica que indica quais são. Estamos a aprender a cada etapa”, referiu pedindo à população para evitar ao máximo todos os contactos sociais desnecessários.

Até ao próximo dia 15 de janeiro todas as restrições se mantêm no Luxemburgo, continuando nomeadamente o recolher obrigatório, o número máximo de duas visitas em simultâneo a cada família e o encerramento dos restaurantes, cafés e bares (Horesca).

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O primeiro-ministro afirmou esta tarde que o confinamento parcial vai durar até pelo menos 15 de janeiro. Não haverá relaxamento das medidas no Natal e Ano Novo.
IPO,Conseil de Gouvernement. Xavier Bettel & Paulette Lenert.Foto: Gerry Huberty/Luxemburger Wort