Escolha as suas informações

Autarquias querem aumentar parque imobiliário público
Luxemburgo 19.06.2019 Do nosso arquivo online

Autarquias querem aumentar parque imobiliário público

Autarquias querem aumentar parque imobiliário público

Foto: Gerry Huberty
Luxemburgo 19.06.2019 Do nosso arquivo online

Autarquias querem aumentar parque imobiliário público

Governo está a ouvir as comunas do país para recolher sugestões para o futuro Pacto para a Habitação 2.0.

O objetivo é claro: disponibilizar mais casas a preço acessível no Luxemburgo. A forma de lá chegar é que é menos evidente. Para isso, o Governo luxemburguês anda à procura de ideias e organizou um conjunto de encontros com autarquias para recolher sugestões, que serão incluídas no futuro Pacto para a Habitação 2.0. Da troca de ideias surgiram algumas prioridades globais: o aumento do parque imobiliário público, a simplificação e aceleração de processos, a tributação de casas que estejam vazias e a necessidade de reanimar as vilas e bairros das cidades através do incentivo ao pequeno comércio local.

De acordo com um comunicado, realizaram-se três de seis reuniões regionais. O terceiro encontro decorreu em Diekirch, onde estiveram 50 representantes comunais, a ministra da Habitação, Sam Tanson, e a ministra do Interior, Taina Bofferding. Para esta última, a habitação a preços acessíveis é o desafio mais importante do país. “Devemos enfrentá-lo com as comunas”, mantendo a qualidade do habitat e a valorização dos espaços públicos”. Também Tanson pediu ajuda às autarquias: “Precisamos que participem de forma ativa e que coloquem as vossas ideias no papel”, afirmou, citada em comunicado.

O Luxemburgo é dos países da OCDE com um dos menores parques habitacionais destinados a alojamento social. Além disso, o alerta para o problema dos elevados preços das rendas e de compra de imóveis é uma constante nos relatórios de muitos organismos internacionais, como a Comissão Europeia, Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) ou Fundo Monetário Internacional (FMI). Este último voltou a referir o tema no Artigo IV dedicado ao Luxemburgo. O preço das casas está sobrevalorizado em 7,5% e o endividamento das famílias com a compra de casa é demasiado alto.


Notícias relacionadas

O preço louco da habitação está a obrigar os luxemburgueses a ir viver para os países vizinhos, e os seus habitantes a deixar de poder morar também na sua terra, como Arlon. O efeito bola de neve da habitação no Grão-Ducado tem diversas direções: filhos adultos a viver mais tempo com os pais, desigualdades a aumentar e o país a deixar de ser atrativo para os emigrantes.