Escolha as suas informações

Aulas de apoio. Alunos do fundamental procuraram sobretudo ajuda no alemão
Luxemburgo 23.09.2020

Aulas de apoio. Alunos do fundamental procuraram sobretudo ajuda no alemão

Aulas de apoio. Alunos do fundamental procuraram sobretudo ajuda no alemão

Photo: AFP
Luxemburgo 23.09.2020

Aulas de apoio. Alunos do fundamental procuraram sobretudo ajuda no alemão

Susy MARTINS
Susy MARTINS
A maioria dos alunos do ensino fundamental que seguiram as aulas de apoio, fizeram-no principalmente para recuperar matéria no ensino da língua alemã.

Cerca de seis mil alunos inscreveram-se para participar nas aulas de apoio que decorreram nas férias de verão, entre 31 de agosto e 11 de setembro.Desses seis mil, 4.830 eram do ensino fundamental (cyclos 2 a 4.1) e cerca de 800 do ensino secundário. 

Para além destes alunos que usufruíram de aulas de apoio organizadas pelo Ministério da Educação, juntam-se ainda 300 alunos também do ensino secundário que tiveram aulas de ajuda organizadas por oito liceus do país.

Estes dados definitivos foram revelados pelo ministro da Educação, Claude Meisch, em resposta a uma questão parlamentar.

As aulas de apoio foram criadas pelo Governo com o objetivo de rever a matéria que foi dada durante o confinamento e assim poder iniciar o novo ano letivo sem grandes problemas.


Quarentena parcial nas escolas está a lançar a polémica no país
A autorização especial para um professor ou aluno colocado em quarentena dar aulas ou frequentar a escola gerou controvérsia. As explicações do governo e o alargamento a todos os trabalhadores.

No ensino fundamental as aulas de apoio foram garantidas por 345 voluntários, dos quais 80 eram professores. No ensino secundário, os alunos foram enquadrados por 18 professores e 69 estudantes.

Em contrapartida, nos liceus os alunos precisaram mais de explicações na matemática.De salientar ainda que as aulas de apoio, mas desta vez online, vão prolongar-se durante o primeiro trimestre deste ano letivo, ou seja até às férias de Natal.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas