Escolha as suas informações

Astrazeneca. Segunda dose adiada de quatro para dez semanas
Luxemburgo 2 min. 17.02.2021 Do nosso arquivo online

Astrazeneca. Segunda dose adiada de quatro para dez semanas

Astrazeneca. Segunda dose adiada de quatro para dez semanas

Photo: AFP
Luxemburgo 2 min. 17.02.2021 Do nosso arquivo online

Astrazeneca. Segunda dose adiada de quatro para dez semanas

Teresa CAMARÃO
Teresa CAMARÃO
O objetivo é aumentar a eficácia da vacina.

Se até agora a segunda dose da Astrazena era tomada quatro semanas depois da primeira, agora, o intervalo entre as duas tomas passa a ser de dez semanas. 

O objetivo é aumentar a eficácia do fármaco britânico, tendo em conta que "o intervalo mais longo entre as duas doses parece melhorar a protecção contra as formas sintomáticas da doença". Quem o diz é Ministério da Saúde de Paulette Lenert, numa altura em que dois, dos cinco centros de vacinação previstos, já estão a preparar segunda fase de vacinação no Luxemburgo. 

Esta decisão foi tomada à luz do parecer do Conselho Superior das Doenças Infeciosas e da Alta Autoridade para a Saúde. Mais do que o enunciado, pretende agilizar o processo de vacinação no Luxemburgo, rumo à imunidade de grupo. Ao que parece, o intervalo mais longo entre as duas doses pode mesmo melhorar a proteção contra as formas sintomáticas da doença. Segundo os investigadores de Oxford, uma dose única foi 76% eficaz na prevenção da infecção sintomática até durante três meses.

Plano adaptado 

No fundo da tabela e muito atrás do Reino Unido - que no fim do verão deverá chegar à desejada imunidade de grupo - o Luxemburgo decidiu agora readaptar a estratégia, aproximando-se até dos britânicos. Em terras de Sua Majestade, a segunda dose da vacina toma-se 12 semanas depois. Por cá, serão menos duas. 

Em declarações ao Contacto, o Ministério da Saúde admitiu que "não é possível, nesta fase, apontar uma data em que 70% da população esteja vacinada", precisamente pela conjugação de vários fatores externos como as cadeias de produção e distribuição ou os avanços e as recomendações dos cientistas e da União Europeia no que respeita à administração da segunda dose. 

Sem data para terminar, a segunda fase do plano de vacinação do Luxemburgo, dedicada a pessoas vulneráveis acima dos 75 anos de idade, deverá começar na próxima semana. As convocatórias deverão começar a cair nas caixas de correio esta semana. 

Depois de terem aberto um segundo centro de vacinação em Belval esta semana, as autoridades de saúde luxemburguesas também deverão inaugurar outros dois espaços centros em Mondorf-les-Bains e em Ettelbruck, já a partir da próxima semana. 


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Ainda não se sabe se uma terceira dose da vacina anticovid-19 vai ser necessária, mas se for o caso, o Luxemburgo está preparado para esse facto. A garantia é dada pela ministra da Saúde, Paulette Lenert, numa resposta parlamentar ao deputado do ADR, Jeff Engelen.
Sem "influência direta" no mercado e na chegada das vacinas ao Grão-Ducado, o Governo admite que "ainda não é possível apontar uma data" para a imunização de, pelo menos, 70% dos residentes. A Universidade do Luxemburgo diz que é possível fazê-lo em três meses. Basta que 2.700 pessoas sejam vacinadas por dia.
Lokales, Impfzentrum Esch Belval, maison des matériaux, Gebäude Nord Foto: Luxemburger Wort/Anouk Antony