Escolha as suas informações

ASTI reivindica medidas excecionais para trabalhadores precários
Luxemburgo 01.04.2020 Do nosso arquivo online

ASTI reivindica medidas excecionais para trabalhadores precários

ASTI reivindica medidas excecionais para trabalhadores precários

Foto: Chris Karaba / Luxemburger Wort
Luxemburgo 01.04.2020 Do nosso arquivo online

ASTI reivindica medidas excecionais para trabalhadores precários

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Sobretudo no setor da construção civil e da horesca, há pessoas a trabalhar sem estarem declaradas, diz associação.

Uma situação de crise fragiliza ainda mais as pessoas que estão numa situação precária. A Associação de Apoio aos Trabalhadores Imigrantes (ASTI) considera que é exatamente isso que se está a verificar durante a crise pandémica provocada pela covid-19. E apela ao governo luxemburguês para tomar as medidas necessárias de forma a não deixar cair ninguém em tempos de crise.  

A associação cita como exemplo os trabalhadores que vivem em quartos arrendados por cima de cafés e os contratados em regime de trabalho temporário."Há cada vez mais pessoas com contratos de trabalho temporário no Luxemburgo. Esses trabalhadores fazem parte do grupo mais exposto a esta crise, já que os seus empregos estão relacionados com a atividade económica das empresas. Como a maioria das empresas está encerrada para tentar travar o contágio do novo coronavírus, esses trabalhadores ficam no desemprego", explica a ASTI em comunicado. 


"O Luxemburgo nunca olhou para mim. Pode ser que o vírus também passe e não me apanhe", diz Romain
"Como é que se isolam em casa os que não têm teto?"
A população sem-abrigo do Luxemburgo prepara-se para o fecho dos abrigos, o condicionamento das cantinas sociais e a limitação do apoio médico. O pânico dos que se dizem entregues à sua sorte, visto do gabinete de consultas dos Médicos do Mundo.

A associação refere ainda que estes trabalhadores, que vivem em quartos arrendados por cima de cafés e restaurantes, são maioritariamente emigrantes recém-chegados ao país, com pouco ou nenhum conhecimento das línguas mais faladas [francês, alemão, luxemburguês] e que agora estão entregues ao seu próprio destino. "Muitos desses quartos não têm cozinha comum e as refeições eram confecionadas pelo proprietário ou inquilino dos restaurantes, mas atualmente os restaurantes têm ordem de encerramento, exceto para entregas ao domicílio", sublinha a ASTI para descrever o agravamento da precariedade nestes casos.

Segundo a associação, pior mesmo só os trabalhadores clandestinos. E lembra, por exemplo, que há pessoas, sobretudo no setor da construção civil e da horesca, a trabalhar sem estarem declaradas. Esses estão excluídos de qualquer proteção social, apesar de existirem, diz a associação. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas