Escolha as suas informações

As propostas dos partidos para o alojamento
Luxemburgo 3 min. 27.09.2018 Do nosso arquivo online

As propostas dos partidos para o alojamento

As propostas dos partidos para o alojamento

Luxemburgo 3 min. 27.09.2018 Do nosso arquivo online

As propostas dos partidos para o alojamento

Paula CRAVINA DE SOUSA
Paula CRAVINA DE SOUSA
Todos os partidos com assento parlamentar apresentam várias soluções para implementar nos próximos cinco anos, caso consigam lugar lugar no Governo. Construir em altura e mais habitação social são algumas das medidas mais populares entre os partidos.



Déi Gréng

  •  Construir habitação acessível, mas tendo em conta o ambiente em que se insere o imóvel. A prioridade será assim a criação de um ambiente em torno da casa que seja atrativo, com a construção de serviços a distância pedonal, zonas verdes, etc.
  • Construir mais habitação pública, dando prioridade à construção de casas para arrendar.
  • Assegurar que o valor a pagar pela agência imobiliária seja partilhado de forma justa pelo senhorio e pelo inquilino.
  • Reformar o imposto sobre imóveis, de forma a que o valor real do terreno e a sua utilização efetiva sejam tido em conta
  • Prestar outra forma de apoio financeiro à Agência Imobiliária Social para que os alojamentos vazios sejam atribuídos mais rapidamente a quem deles precisa
  • Controlar a evolução das rendas, recorrendo à lei se for necessário

DP

• Apostar na construção em altura, não nos bairros residenciais, mas sim nos novos, como por exemplo em antigas zonas industriais.

• Fazer um estudo para determinar as reais necessidades do país em matéria de alojamento.

• Aumentar a oferta de casas acessíveis para estudantes e perto dos campus.

• Criar guichet único para que os interessados se possam candidatar a casas de habitação social de modo mais simples.

• O DP rejeita qualquer imposto sobre proprietários com casas desocupadas e terrenos para construção que estejam vazios.

• Também não serão introduzidos novos mecanismos de expropriação. De acordo com o programa, o DP não quer prejudicar as famílias com terrenos para construção e que os queiram guardar para os seus filhos ou netos para construir casas para terceiros.

Déi Lénk

• Construir mais casas destinadas ao arrendamento e com preços acessíveis.

• Criar o serviço público da Habitação com o objetivo de coordenar a construção de alojamentos públicos, disponibilizar fundos públicos para a realização de projetos de construção de promotores públicos e das autarquias.

• Favorecer a construção de alojamentos para jovens, migrantes, idosos, pessoas com necessidades específicas.

• Aplicar uma taxa super-reduzida de 3% às empresas com despesas de construção de alojamentos sociais.

• Mobilizar as casas vazias.

ADR

• Mais habitação social para arrendamento.

• Obrigar as autarquias a dedicarem 5%

do seu parque imobiliário a habitação social.

• Os projetos de construção com mais de um hectare devem aumentar a sua percentagem de casas dedicadas a habitação social de 10% para 15%.

• Rever as regras do subsídio de arrendamento.

• Rever apoios públicos para compra da primeira habitação.

• O Estado deve ser fiador do comprador (no caso de primeira habitação e de ter rendimentos baixos), para que o banco possa conceder 100% do empréstimo.

• Aumentar o número de casas por hectare.

• Simplificar e facilitar as regras de poupança energética na construção.

• Taxa de IVA de 3% na construção de casas para arrendamento.

LSAP

• As taxas cobradas pelas agências imobiliárias não devem recair unilateralmente sobre os inquilinos.

• Simplificar o sub-arrendamento.

•Desenvolvimento de agências imobiliárias sociais.

• Criação de associações de construção municipais e intermunicipais que possam contribuir para aumentar a oferta e a desenvolver modelos de compra alternativos.

• Apoiar os inquilinos que não tenham capacidade para comprar casa própria.

CSV

• Apoiar a construção de habitação social, alojamento para idosos, pessoas com deficiência e estudantes.

• Aumentar a densificação populacional nos novos bairros.

• Promover a construção de casas mais pequenas e adaptadas às necessidades dos moradores.

• Os proprietários de terrenos para construção e de casas desocupadas serão penalizados com um imposto nacional.

• Introdução do princípio arrendamento-venda, com o objetivo de ajudar as jovens famílias e as pessoas com rendimentos médios a tornarem-se proprietários. O montante pago a título de renda será deduzido depois no preço de compra do imóvel.


Notícias relacionadas

O raio X do mercado da habitação
É um dos temas mais importantes e sensíveis da batalha eleitoral. O Contacto passou o mercado da habitação pelo raio X para perceber a dimensão do problema. Saiba quantas casas há no Luxemburgo, quanto é que os preços têm subido, quantos proprietários e inquilinos existem.
O início do fim do postal turístico lisboeta?
Lisboetas saíram à rua contra turistificação e gentrificação da cidade. A iniciativa chamou-se Rock in Riot e levou cerca de duas mil pessoas a uma manifestação pelos direitos de quem vive na cidade.
Governo aprova construção de 346 habitações sociais
O Governo luxemburguês aprovou a construção de 56 novos projetos de habitação social, orçados em 55,16 milhões de euros, que se traduzem num total de 346 casas ou apartamentos. Do total, 93 são para venda e 253 para arrendamento.