Escolha as suas informações

"As pessoas que aprendem Luxemburguês não o fazem por amor"
Luxemburgo 2 min. 12.10.2018 Do nosso arquivo online

"As pessoas que aprendem Luxemburguês não o fazem por amor"

O Governo nomeou hoje Marc Barthelemy para o cargo de comissário para a língua luxemburguesa, a dois dias das eleições legislativas.

"As pessoas que aprendem Luxemburguês não o fazem por amor"

O Governo nomeou hoje Marc Barthelemy para o cargo de comissário para a língua luxemburguesa, a dois dias das eleições legislativas.
Foto: Joaquim Valente
Luxemburgo 2 min. 12.10.2018 Do nosso arquivo online

"As pessoas que aprendem Luxemburguês não o fazem por amor"

O Governo nomeou hoje Marc Barthelemy para o cargo de comissário para a língua luxemburguesa, a dois dias das eleições legislativas. O ainda presidente do Conselho Permanente da Língua Luxemburguesa, que vai ocupar o cargo criado pelo atual executivo, disse ao Contacto que o idioma "não está em perigo de extinção iminente" e que "nunca houve tanta gente a aprender a língua".

Para Barthelemy, a corrida aos cursos de Luxemburguês deve-se à pujança económica do Grão-Ducado. "É preciso reconhecer que isso se deve à força económica do país", disse ao Contacto o novo comissário para o idioma, precisando que "as pessoas aprendem a língua com um objetivo". "As pessoas não aprendem Luxemburguês por amor, mas porque querem encontrar um trabalho no Luxemburgo, querem estar mais integradas no país, ou querem poder obter participar em atos políticos", explicou.

Mas Barthelemy não vê nisso nenhuma objeção. "Não vejo nenhum problema com isso. Isso é normal: normalmente aprendemos alguma coisa com um fim, porque é útil. Podemos aprender uma língua porque queremos visitar um país, por exemplo", disse ao Contacto.     

A nomeação de Marc Barthelemy para primeiro comissário da língua luxemburguesa foi feita no último Conselho de Ministros antes das eleições, esta sexta-feira. Barthelemy vai ocupar pela primeira vez o cargo criado pelo Executivo em 20de julho de 2018 - parte de um diploma legislativo que prevê um pacote de 40 medidas para promover o luxemburguês. Terá como missões "propor um plano de ação para promover a língua luxemburguesa e o multilinguismo" e "executar o plano do Governo" para reforçar o uso do idioma, que se tornou língua oficial em 1984, disse ainda a este jornal o novo comissário.   

Marc Barthelemy trabalhou no Ministério da Educação, onde foi professor durante 18 anos. No comunicado do Governo divulgado esta tarde, reafirma-se a vontade de defender o idioma, no que tem sido o tema forte da campanha. "Com esta lei, foi novamente afirmado que o Governo estava determinado a reforçar o papel do luxemburguês na sociedade e a assegurar a promoção da língua e da cultura luxemburguesa de forma duradoura".

Estas são as primeiras eleições legislativas depois do polémico referendo proposto pelo atual executivo, em 2015, para atribuir o direito de voto aos estrangeiros em eleições nacionais - chumbado por 80% da população luxemburguesa. A consulta provocou tensões linguísticas e identitárias, tendo conduzido um ano depois a uma guerra de petições sobre a língua luxemburguesa.

O ministro da Educação, Claude Meisch, do DP - que adotou o polémico lema de campanha "Zukunft op Lëtzebuergesch" ("O futuro em luxemburguês") -, foi responsável por propor  o diploma para reforçar o uso do idioma.

Paula Telo Alves


Notícias relacionadas

O ministro da Educação, Claude Meisch, entregou esta sexta-feira (12) no Parlamento do Luxemburgo um projeto-lei sobre promoção da língua luxemburguesa. Ao contrário do que é habitual, o documento entregue está parcialmente escrito em luxemburguês.
O plano de promoção da língua luxemburguesa já tinha sido apresentado pelo Governo, mas só agora aprovado pelo Conselho de Ministros e segue para o Parlamento. Cursos obrigatórios de luxemburguês nas escolas internacionais é uma das medidas previstas.
A língua luxemburguesa tem sido usada muitas vezes como instrumento de exclusão: para obter a nacionalidade, para aceder à função pública, ou simplesmente para apontar o dedo aos estrangeiros, acusando-os de não estar integrados no país.