Escolha as suas informações

Aproximadamente oito mil pedem melhores condições de trabalho
Luxemburgo 04.06.2016 Do nosso arquivo online
Manifestação

Aproximadamente oito mil pedem melhores condições de trabalho

Manifestação

Aproximadamente oito mil pedem melhores condições de trabalho

Foto: Anouk Antony
Luxemburgo 04.06.2016 Do nosso arquivo online
Manifestação

Aproximadamente oito mil pedem melhores condições de trabalho

Mais de 8.000 auxiliares de saúde, enfermeiros e educadores participaram hoje numa manifestação entre o Forum Geesseknäppchen (junto ao P+R Bouillon) e a Rousegaertchen (Place des Martyrs), na capital luxemburguesa

Mais de 8.000 auxiliares de saúde, enfermeiros e educadores juntaram-se este sábado numa manifestação entre o Forum Geesseknäppchen (junto ao P+R Bouillon) e a Rousegaertchen (Place des Martyrs), na capital luxemburguesa. 

O protesto foi organizado pelos sindicatos LCGB e OGBL, que defendem melhores condições de carreira, de trabalho e elevada qualidade nos sectores da saúde e social.

Em causa estão as condições de trabalho de mais de 23.000 funcionários destes sectores que reivindicam um reconhecimento salarial justo das carreiras. 

O anúncio da manifestação foi feito após uma centena de delegados e pessoal associado aos sindicatos se ter mobilizado em frente à Câmara dos Deputados do Luxemburgo. Os mesmos foram recebidos pelo  Presidente do Parlamento, Mars Di Bartolomeo que se mostrou compreensivo, pois foi, durante um período, Ministro da Saúde:  «Fui um dos artesãos da reforma da formação, logo, se reformamos a formação, é evidente que o reconhecimento deverá seguir-se. » adiantou, na altura,  Di Bartolomeo.

O patronato e os sindicatos não se entendem nas negociações das convenções colectivas e chegou-se a um impasse: «Todos os trabalhadores que exercem no sector da saúde ou socio-educativo assumem, permanentemente, enormes responsabilidades que nunca foral reconhecidas nem pelos empregadores, nem pelo governo», sublinhou Céline Conter, secretária-sindical da LCGB .

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Cerca de 600 trabalhadores do grupo SERVIOR arriscam-se a ver as suas condições de trabalho degradarem-se caso o governo avance com a privatização do setor de cuidados de saúde. O alerta é OGBL que manifesta o seu desagrado com a intenção do Executivo.
Sectores da saúde, serviços sociais e de educação
Os dois grandes sindicatos do país, OGBL e LCGB, convocaram para o próximo dia 4 de Junho uma manifestação dos trabalhadores dos sectores da saúde, serviços sociais e educação. Em causa estão as condições de trabalho de mais de 23.000 funcionários destes sectores que reivindicam um reconhecimento salarial justo das carreiras.