Escolha as suas informações

Apartamento no Luxemburgo pode custar até 15 anos de salário mínimo
Luxemburgo 28.02.2020 Do nosso arquivo online

Apartamento no Luxemburgo pode custar até 15 anos de salário mínimo

Apartamento no Luxemburgo pode custar até 15 anos de salário mínimo

Foto: Shutterstock
Luxemburgo 28.02.2020 Do nosso arquivo online

Apartamento no Luxemburgo pode custar até 15 anos de salário mínimo

Os preços do mercado imobiliário no Grão-Ducado dispararam nos últimos dez anos, apesar da falta de habitações que se verifica no país. Um recente estudo da Fondation Idea indica que para se adquirir um apartamento de 50 m2 em 2019 são necessários o equivalente a cerca de 15 anos de salário mínimo.

O contínuo e alarmante aumento dos preços dos imóveis no Grão-Ducado continua a dar que falar.    

Um recente estudo da Fundação Idea avança a comparação de que um apartamento de 50 m2 em 2011 custava cerca de 11 anos de salário mínimo e agora são necessários 15 anos para adquirir a mesma habitação.

Segundo o mesmo estudo, os preços imobiliários aumentaram 56% entre 2010 e 2019, enquanto os salários cresceram apenas na ordem dos 35%.

A Fundação alerta ainda que o problema que se acentuou na última década entre a diferença entre a procura e a oferta de novas habitações que possam servir a população continua por resolver.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O preço louco da habitação está a obrigar os luxemburgueses a ir viver para os países vizinhos, e os seus habitantes a deixar de poder morar também na sua terra, como Arlon. O efeito bola de neve da habitação no Grão-Ducado tem diversas direções: filhos adultos a viver mais tempo com os pais, desigualdades a aumentar e o país a deixar de ser atrativo para os emigrantes.
Os preços elevados da habitação, para vender ou arrendar, são apontados, há décadas, como um dos maiores problemas, para quem chega e se quer instalar no Luxemburgo. O segundo trimestre deste ano confirmou essa tendência, com uma subida anual dos preços do imobiliário de 5,6%.