Escolha as suas informações

Alemanha quer que Grécia transfira 50 mil milhões para fundo no Luxemburgo

Alemanha quer que Grécia transfira 50 mil milhões para fundo no Luxemburgo

Foto: Reuters
Luxemburgo 2 min. 13.07.2015

Alemanha quer que Grécia transfira 50 mil milhões para fundo no Luxemburgo

A proposta feita ontem pelo ministro das Finanças alemão consta do esboço que está a ser preparado na cimeira de domingo em Bruxelas. A exigência seria uma das condições para a obtenção de um terceiro resgate.

A proposta feita ontem pelo ministro das Finanças alemão consta do esboço que está a ser preparado na cimeira de hoje em Bruxelas, um documento de quatro páginas divulgado por vários órgãos de comunicação.

A exigência seria uma das condições para a obtenção de um terceiro resgate.

Wolfgang Schäuble propôs que a Grécia deposite bens no valor de 50 mil milhões de euros num fundo no Luxemburgo designado "Institute for Growth" (Instituto para o Crescimento), que seriam depois liquidados através de privatizações para "reduzir a dívida".

"Valiosos activos gregos no valor de 50 mil milhões devem ser transferidos para uma entidade externa e independente já existente, como o Instituto para o Crescimento do Luxemburgo, para serem privatizados ao longo do tempo e reduzir a dívida grega. Este fundo seria gerido pelas autoridades gregas mas com a supervisão das instituições europeias relevantes", pode ler-se num dos pontos da proposta.

Por detrás da instituição sediada no Luxemburgo estará o banco estatal alemão KFW, que tem no Conselho de Administração o ministro das Finanças alemão Wolfgang Schäuble e o ministro da Economia da Alemanha, Sigmar Gabriel, segundo informação avançada hoje pelo jornal Politico.

Apesar de ter sido muito criticada por analistas e por vários ministros da Zona Euro, a proposta foi incluída no esboço de quatro páginas do documento que continua a ser negociado esta noite em Bruxelas, estando indicada entre parêntesis (o que quer dizer que não há consenso relativamente a esse ponto).

A proposta, apresentada como alternativa à saída da Grécia do euro durante cinco anos, também proposta pela Alemanha, consagra uma troca de soberania por assistência financeira, exigindo que o Governo grego aprove legislação até quarta-feira em relação a algumas das medidas impostas. 

"O texto, no seu conjunto, é muito mau, mas nós estamos a tentar encontrar soluções para ultrapassar a crise", disse fonte governamental grega não identificada à agência noticiosa France Presse.

A mesma fonte do governo grego sublinhou que se for encontrado um compromisso entre as partes, a Grécia "quer luz verde para a retoma das negociações do resgate sem demora, dada a "gravidade" da situação dos bancos no país, confrontados com falta de liquidez.

Reunião deve prolongar-se durante a madrugada

A cimeira da zona euro que decorre hoje em Bruxelas voltou a ser interrompida há momentos "para consultas", anunciou o primeiro-ministro maltês na sua conta pessoal na rede social 'twitter'.

A reunião de chefes de Estado e de Governo da zona euro, considerada decisiva para uma decisão em torno do pedido de ajuda da Grécia, e iniciada cerca das 16h, já havia sido suspensa ao final da tarde cerca de duas horas, para um encontro entre o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, a chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, François Hollande.

Esta nova pausa, indicaram fontes europeias, deverá demorar aproximadamente uma hora, para a realização de consultas e encontros à margem.

Portugal está representado no encontro de líderes pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho.





Notícias relacionadas