Escolha as suas informações

"Beber vinho é dar de comer a um milhão de portugueses"
Editorial Luxemburgo 2 min. 14.07.2021
Alcoolismo no Grão-Ducado

"Beber vinho é dar de comer a um milhão de portugueses"

Alcoolismo no Grão-Ducado

"Beber vinho é dar de comer a um milhão de portugueses"

Foto: Pixabay
Editorial Luxemburgo 2 min. 14.07.2021
Alcoolismo no Grão-Ducado

"Beber vinho é dar de comer a um milhão de portugueses"

Madalena QUEIRÓS
Madalena QUEIRÓS
A frase que ainda marca a cultura simbólica portuguesa é atribuída ao ditador Salazar.

Para além de ser um problema em Portugal, o alcoolismo está a afetar cada vez mais mulheres e jovens no Luxemburgo. Uma dependência que a pandemia veio agravar revelamos na edição, desta semana, no Contacto. Estávamos todos à espera de ter um verão normal, como nos prometeram os dirigentes políticos europeus, mas essa realidade está ainda longe de se concretizar. O descontrolo da covid-19 obriga Portugal a impor novas regras para quem tem estadia marcada em unidades hoteleiras. Nesta edição saiba tudo o que precisa de saber se vai passar as suas férias em Portugal.

Os testemunhos que publicamos nesta edição revelam que o problema da dependência do álcool entre mulheres e jovens está a crescer no Luxemburgo. O Grão-Ducado já é um dos países com as mais altas taxas de consumo de bebidas alcoólicas da Europa. Em 2017, a média de consumo de álcool entre as mulheres da União Europeia era de 12%, no Luxemburgo era de 24%, nos homens do país, de 45%, em relação aos 26% da média da UE, segundo os dados do Observatório Europeu, pode ler-se no trabalho que publicamos esta semana. 


Álcool. As mulheres no Luxemburgo têm vergonha de pedir ajuda
As mulheres no Grão-Ducado estão a beber mais. Bebem o dobro da média europeia. Escondem a dependência porque a sociedade não as aceita. O alerta vem de quem as trata.

As mulheres do Luxemburgo são das que mais bebidas alcoólicas consomem por dia, na Europa, estão em segundo lugar, juntamente com as de Andorra, com uma média de 3,4 bebidas/dia, a seguir às da Ucrânia (4,2 bebidas/dia), segundo dados de 2016, da Organização Mundial de Saúde (OMS) e publicados num estudo da revista The Lancet. Um flagelo com graves consequências pessoais e sociais e que é importante combater.

“Há muita vergonha associada à dependência do álcool”, sublinha a psicóloga Michèle Pisani em declarações à jornalista do Contacto, Paula Santos Ferreira. Embora seja difícil para ambos os sexos procurar ajuda, no caso feminino é necessária uma maior coragem.

Contagem decrescente para as férias de verão

Na contagem decrescente para umas merecidas férias, se o seu destino é Portugal não pode perder o destaque desta semana do Contacto: um guia com tudo o que precisa de saber para viajar até ao país. O conselho das autoridades luxemburgueses é que escolham viajar de avião, em vez de fazer o percurso do carro, porque essa opção aumenta os riscos de contrair covid-19. Depois, todas as pessoas que regressam de férias, incluindo os vacinados, “devem ser testadas para terem a certeza de que não estão infetadas e que não transmitem o vírus”, é a recomendação do ministério da Saúde do Luxemburgo. 


Algarve
Verão com novas regras em Portugal. O que muda nos alojamentos de férias
Teste negativo ou certificado digital são, desde este fim de semana, obrigatórios para toda a hospedagem turística, em todo o território continental. Veja o que deve saber se já marcou ou vai marcar as suas férias num alojamento no país.

Publicamos ainda os conselhos da secretária de Estado das Comunidades Portuguesas, Berta Nunes, que pede a todos os emigrantes que passem o verão em Portugal que sigam as regras e tenham todas as precauções para evitar a propagação dos contágios. A governante apela “aos portugueses residentes no estrangeiro que preveem visitar o país nestas férias que tomem como seu o combate que Portugal está a travar contra a pandemia, hoje com o objetivo imediato de reduzir o número de novos casos por 100 mil habitantes, de acordo com o qual o Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças nos classifica atualmente como zona vermelha”.

Um objetivo que deve ser de todos nós.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Com o caos instalado nos hospitais portugueses, o Luxemburgo foi o primeiro país no palco internacional a oferecer ajuda a Portugal.
Recém-chegado ao Grão-Ducado, mas com muita experiência internacional, António Gamito não considera que o voto nas legislativas para os estrangeiros seja um tema do momento. Quanto à questão da indexação salarial para os funcionários, refere que vai “tentar resolver com Lisboa”. E, além da proximidade que pretende manter com a comunidade portuguesa, vem preparado para reforçar o relacionamento bilateral.