Escolha as suas informações

Abandono escolar com ligeiro aumento no primeiro ano da pandemia
Luxemburgo 21.05.2021 Do nosso arquivo online
Luxemburgo

Abandono escolar com ligeiro aumento no primeiro ano da pandemia

Luxemburgo

Abandono escolar com ligeiro aumento no primeiro ano da pandemia

Luxemburgo 21.05.2021 Do nosso arquivo online
Luxemburgo

Abandono escolar com ligeiro aumento no primeiro ano da pandemia

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
Ao todo, 1.670 alunos deixaram o sistema escolar luxemburguês durante ou no final do passado ano letivo.

A taxa de abandono escolar no ano letivo 2019/2020 aumentou para 8,16%, superando os 7,97% do ano letivo anterior. Trata-se de um aumento residual de 0,19 pontos percentuais, mas ainda assim inferior às taxas de 2017/2018 (8,57%) e de 2016/2017 (9,29%).

A comparação é feita no novo relatório sobre o abandono escolar divulgado esta quinta-feira pelo Ministério da Educação. Ao todo, 1.670 alunos deixaram o sistema escolar luxemburguês durante ou no final do passado ano letivo, sem obter um diploma ou certificado.

Cerca de 90% dos alunos que abandonaram tinham repetido o ano pelo menos duas vezes, sendo que 60% são rapazes e 46% frequentavam o equivalente ao 9° e 10° ano do ensino secundário.

Entre os principais motivos de abandono citados pelos alunos estão a falta de um contrato de aprendizagem (para alunos de formação profissional), a falta de interesse na via de ensino seguido e os problemas de saúde.

O ministério conclui que "apesar da pandemia e das suas consequências no sistema escolar, a taxa de abandono no ano passado permanece estável em relação aos anos anteriores" e "abaixo do limite de 10% definido como meta pela União Europeia".

O impacto das medidas de apoio implementadas a partir de outono de 2021 vai ser avaliado no próximo relatório, referente ao ano letivo 2020/2021.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Dados do Ministério da Educação
No ano letivo 2014/2015, 1 632 alunos abandonaram prematuramente a escola. Este largo contingente incluiu 290 alunos de nacionalidade portuguesa, que romperam com a escola, antes de obterem um diploma ou certificado profissional.