Escolha as suas informações

A polícia chamada a intervir 749 vezes em 2016
Luxemburgo 20.06.2017 Do nosso arquivo online
Violência doméstica

A polícia chamada a intervir 749 vezes em 2016

Violência doméstica

A polícia chamada a intervir 749 vezes em 2016

Ilustração: Shutterstock
Luxemburgo 20.06.2017 Do nosso arquivo online
Violência doméstica

A polícia chamada a intervir 749 vezes em 2016

A polícia luxemburguesa foi chamada a intervir 749 vezes em 2016 em casos relacionados com violência doméstica no Luxemburgo.

A polícia luxemburguesa foi chamada a intervir 749 vezes em 2016 em casos relacionados com violência doméstica no Luxemburgo.

De acordo com dados do Governo, o número de intervenções policiais em casos de violência doméstica registou uma queda pelo segundo ano consecutivo.

Segundo os dados disponibilizados, 62% são vítimas dos casos registados são do sexo feminino, enquanto 38% são vítimas do sexo masculino.

O relatório refere que 256 autores de atos de violência doméstica foram expulsos de casa: 210 homens e 24 jovens por violência sobre adulto. O número de expulsões aumentou mais de 5% em relação a 2015.

Os dados de 2016 revelam ainda que 363 crianças (incluindo 306 menores) vivem atualmente em famílias afetadas pela violência doméstica no Luxemburgo.

Entre as vítimas, mais de 72% são de origem europeia: 27,34% são luxemburgueses e 30,56% são de origem portuguesa.

A violência psicológica registou a maioria dos casos (219) assinalados em 2016, seguindo-se as lesões físicas intencionais (190 casos), a violência física sem lesões (64) e ameaças de morte (49 casos).

O relatório sobre violência doméstica é produzido anualmente por uma comissão de cooperação entre profissionais da área da luta contra a violência, composto por procuradores, polícias, departamentos governamentais e serviços sociais.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

As mulheres são de facto as grandes vítimas desta violência. Mas também há agressoras. No Luxemburgo, em 2018, houve 313 mulheres a agredir companheiros e filhos. Os homens foram 712. Especialistas explicam as razões que levam a esta troca de papéis, a "vergonha" sentida pelos homens vítima e como ajudar ambas as partes.