Escolha as suas informações

A partir de agora, o seu gato deve ter chip eletrónico
Luxemburgo 3 min. 08.02.2019

A partir de agora, o seu gato deve ter chip eletrónico

A partir de agora, o seu gato deve ter chip eletrónico

Luxemburgo 3 min. 08.02.2019

A partir de agora, o seu gato deve ter chip eletrónico

Rosa CLEMENTE
Rosa CLEMENTE
Para os donos mais distraídos, fica aqui o alerta: os micro-chips, que já eram obrigatórios para os cães, são desde dezembro obrigatórios também para os gatos.

Sejam gatos de apartamento ou de rua, a maior parte destes amigos de quatro patas gosta de dar uma volta fora de casa, de preferência no jardim do vizinho. "Se um gato doméstico já esteve fora de casa, mesmo que só uma vez, ele vai querer voltar a sair. Quando eles passeiam no exterior e caçam ratos, sentem-se livres", diz Liliane Ferron, vice-presidente da Liga Luxemburguêsa para a Proteção dos Animais e voluntária no abrigo para animais de Gasperich.

Infelizmente, é frequente alguns gatos não encontrarem o caminho de volta para casa, acabando por serem resgatados por estranhos que os colocam num abrigo. "É crucial que o gato tenha micro-chip para que o dono possa encontrá-lo", diz a ativista pelos direitos dos animais.

Liliane Ferron é voluntária no abrigo de Gasperich que neste momento é a casa de cerca de 40 gatos e 80 cães.
Liliane Ferron é voluntária no abrigo de Gasperich que neste momento é a casa de cerca de 40 gatos e 80 cães.
Foto: Guy Jallay

Nova regulamentação

Desde dezembro, todos os gatos domésticos devem ter um chip eletrónico, implantado nos primeiros meses de vida, não antes das oito semanas após o nascimento. O procedimento deve ser realizado por um veterinário e o chip, do tamanho de um grão de arroz, é geralmente implantado atrás da orelha do animal.


Micro-chip vai passar a ser obrigatório nos gatos
O governo luxemburguês prepara-se para estender o implante obrigatório do micro-chip aos gatos. Segundo a lei atual, este procedimento já é indispensável no caso dos cães.

Cada micro-chip contém um código de doze dígitos que pode ser lido por um scanner específico. Essa é a chave que dá acesso aos dados do animal e do seu respetivo dono, como por exemplo o nome, idade, sexo e cor do animal, assim como o nome, morada e número de telefone do dono.

Ao contrário do código, as informações pessoais do animal e do seu dono não podem ser lidas pelo scanner. Uma vez que o Grão-Ducado coopera com a Bélgica, as informações relativas aos micro-chips do Luxemburgo são armazenadas numa base de dados segura em Bruxelas.

Abrigo de Gasperich
Abrigo de Gasperich
Foto: Guy Jallay

É preciso destacar que estes chips não transmitem a geolocalização, o que significa que a simples implantação do chip não permite localizar o animal se ele desaparecer. Por outro lado, o chip pode também ser utilizado para permitir que uma porta ou passagem se abra apenas para o(s) gato(s) da casa.

A lei atual também prevê que os gatos devem ser esterilizados ou castrados. Esta intervenção só deve ser feita seis meses após o nascimento do animal e os custos ficam ao cargo do dono. No Luxemburgo, a castração custa cerca de 100 euros, já a esterilização custa entre os 150 e os 300 euros.

Casos especiais

Para os gatos que vivem em quintas, a lei estipula que não é obrigatório esterilizá-los. "Não entendo a lógica por trás disso, porque mesmo esses gatos que andam ao ar livre têm um dono e as hipóteses de terem crias duas vezes por ano são muito altas nas quintas, já as hipóteses dos gatinhos sobreviverem não são as melhores", explica Liliane Ferron, deixando o apelo que esses amigos de quatro patas também sejam esterilizados.

 Abrigo de Gasperich
Abrigo de Gasperich
Foto: Guy Jallay

Versão original publicada em alemão no Luxemburger Wort


Notícias relacionadas