Escolha as suas informações

A criminosa mais procurada de França poderá estar no Luxemburgo
Luxemburgo 3 min. 22.10.2019

A criminosa mais procurada de França poderá estar no Luxemburgo

Esta é a foto de Jessica Edosomwan divulgada pela Europol.

A criminosa mais procurada de França poderá estar no Luxemburgo

Esta é a foto de Jessica Edosomwan divulgada pela Europol.
Luxemburgo 3 min. 22.10.2019

A criminosa mais procurada de França poderá estar no Luxemburgo

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
É nos países do Benelux, Alemanha ou Itália que Jessica Edosomwan deve estar escondida, acredita a polícia francesa e a Europol.

A nigeriana Jessica Edosomwan é uma das 18 mulheres cujo rosto surge na nova campanha da Europol ‘O crime não tem género’ que apresenta os 66 criminosos mais procurados da União Europeia, pedindo aos europeus ajuda na sua localização.

Jessica Edosomwan, de 26 anos, é a mulher mais procurada de França, desde que, em 2017, desapareceu sem deixar rasto, quando a rede de prostituição em que era uma das “mães”, e que atuava nas maiores cidades francesas foi desmantelada, pela polícia, em Lyon.

A polícia francesa acredita que esta mulher possa estar escondida num dos países vizinhos, como na Alemanha, Itália ou nos países do Benelux (Luxemburgo, Holanda e Bélgica).    

Nalguns destes países existem redes  semelhantes que a podem acolher, de acordo com informações policiais, citadas pela revista L’OBS. Já a Europol, na ficha que apresenta desta nigeriana não inclui o Grão-Ducado como um local onde possa estar escondida, apenas os outros três países.

Na operação policial em que desmantelaram grande parte da rede de prostituição à qual Jessica Edosomwan pertencia, outras 16 pessoas foram presas. A nigeriana conseguiu fugir.

Julgamento a 6 de novembro

O julgamento destes suspeitos vai começar no próximo dia 6 de novembro, por isso a polícia francesa, que lançou um mandado de captura internacional sobre esta criminosa, e a Europol esperam ainda conseguir encontrar Edosomwan a tempo de ser julgada.

A campanha lançada agora mostrando o seu rosto poderá ser uma valiosa ajuda, acredita a Europol.

A criminosa mais procurada da Bélgica.

As mais perigosas

 Como conseguir novas pistas dos criminosos mais procurados na União Europeia, alguns dos quais desaparecidos há mais de 10 anos, sem deixar rasto?

Com uma megacampanha internacional em todas as plataformas digitais e mostrando os seus rostos. Mas não só.

Colocando o protagonismo nas mulheres. Porque também há crimes no feminino e elaborados de forma tão cruel e violenta como os realizados por homens.

A mulher mais procurada em Espanha.

Este é o objetivo da nova campanha choque da Agência Europeia de Polícia Criminal (Europol) intitulada ‘Crime has no gender’ (‘O crime não tem género’). Homicídios, tráfico de seres humanos e tráfico de drogas são os crimes de que são acusados estes 66 indivíduos, todos considerados perigosos.

"Ajude-nos a apanhar os criminosos"

A campanha da Europol.

“Ajude-nos a apanhar os criminosos mais procurados” é o apelo lançado pela Europol. Entre as 66 fotos dos sujeitos perigosos desaparecidos, estão 18 mulheres.

"As pessoas pensam que estes crimes geralmente não são cometidos por mulheres, mas são e são tão graves como os cometidos por homens", explica Tine Hollevoet, porta-voz da Europol.

Por isso, 21 dos criminosos surgem com máscaras no início da campanha e à medida que a Europol fornece os principais dados, a máscara vai desaparecendo e surgindo o rosto. Só então se descobre se é homem ou mulher. 18 deles são mulheres.Veja as imagens de todos na página da Europol.

A criminosa mais procurada da Letónia.

"O objetivo é atrair o maior número possível de visitantes para o site, pois a experiência ensinou-nos que quanto mais pessoas que virem estes fugitivos, maior é a probabilidade de os localizar e prender”, admite esta porta-voz.