Vocalista dos Coldplay confessa que era "muito homofóbico"
Radio Latina 04.12.2019

Vocalista dos Coldplay confessa que era "muito homofóbico"

Vocalista dos Coldplay confessa que era "muito homofóbico"

Foto: Wikimedia Commons
Radio Latina 04.12.2019

Vocalista dos Coldplay confessa que era "muito homofóbico"

Chris Martin admite que no início da adolescência tinha medo de poder ser gay e que passou por uma fase de preconceito.

Chris Martin, o vocalista dos Coldplay, confessou que, no início da adolescência, "quando estava a descobrir a sexualidade", era "muito homofóbico". 

 A revelação foi feita à revista 'Rolling Stone' e, nas declarações à publicação americana, o cantor acrescentou que passou por uma "crise terrível" durante essa fase de crescimento, em que, paralelamente à homofobia, chegou a pensar que talvez fosse "gay". 

"Quando andava no colégio interno andava de forma um pouco engraçada e balançava-me um bocado. E era também muito homofóbico porque achava que se fosse gay estaria tramado até à eternidade. E era um miúdo a descobrir a sexualidade", afirmou. 

O vocalista da banda britânica explicou, que nessa altura se questionou sobre a sua sexualidade. "Talvez seja gay, talvez seja isto, talvez seja aquilo", exemplificou, assumindo que se sentia "aterrorizado" com essa indefinição. 

"Estava num colégio interno com uma data de miúdos bastante duros que também estavam a passar pela mesma coisa e, durante alguns anos, eles dir-me-iam, 'tu és mesmo gay', de uma maneira muito agressiva. E isso foi muito estranho para mim, durante um tempo". 

Foto: Wikimedia Commons


Chris Martin recorda à revista que, devido ao ambiente que o rodeava nessa altura, pensava que ser gay era uma coisa má. "Eu não sabia [se era gay] e mesmo se fosse não o poderia ser, porque isso seria errado...", conta. 

 Música mudou a visão do vocalista dos Coldplay

 Foi quando se começou a interessar pela música, já a meio da adolescência, que percebeu que não era homossexual. 

O facto de estar "mais exposto ao mundo", nas palavras do próprio, também contribuiu para acabar com os preconceitos que tinha. 

 "Tinha 15 anos e meio e não sei o que aconteceu, mas passei a pensar (...) muitos dos meus heróis são gay, ou o que forem. O que quer que sejam, realmente não interessa", afirmou o vocalista que namora com a atriz Dakota Johnson, desde 2017, e que tem dois filhos, fruto do seu anterior casamento com a também atriz Gwyneth Paltrow. 

Ana Tomás