Rapper T.I. obriga filha adolescente a fazer "teste de virgindade" anual
Radio Latina 3 min. 07.11.2019

Rapper T.I. obriga filha adolescente a fazer "teste de virgindade" anual

Rapper T.I. obriga filha adolescente a fazer "teste de virgindade" anual

Radio Latina 3 min. 07.11.2019

Rapper T.I. obriga filha adolescente a fazer "teste de virgindade" anual

T.I. revelou que desde os 16 anos, acompanha a filha, agora com 18, a um exame ginecológico. Atitude que foi condenada nas redes sociais.

A paternidade tem muito que se lhe diga. T.I., cujo verdadeiro nome é Clifford Harris, é um rapper, ator e apresentador de TV norte-americano de sucesso. 

É também pai de Deyjah, de 18 anos e Heiress Diana, de 3 anos. Durante uma conversa com Nazanin Mandi e Nadia Moham para o 'podcast' 'Ladies Like Us', T.I. falou sobre a sua "filosofia" de educação das filhas. 

Quando lhe foi perguntado se ele já tivera a "conversa sobre sexo", o rapper revelou o "ritual" que mantém com Deyjah, que está no primeiro ano de faculdade. 

T.I. obriga a filha mais velha, todos os anos, a submeter-se a um exame ginecológico para comprovar ao pai que ainda é virgem. O exame consiste em ver se o seu hímen rompeu, ou seja, se houve penetração em ato sexual. 

As idas ao médico começaram após o aniversário de 16 anos, disse Harris, e a filha foi obrigada a assinar uma autorização que permite que o médico partilhe os "resultados" com o pai.   

"No dia a seguir à festa de aniversário, ela está a desfrutar dos presentes e eu coloco um papel na porta: 'Gino. Amanhã. 9h30'", disse T.I.

Na primeira consulta, o rapper relembra que o médico informou-o que o hímen por ser rompido sem ato sexual: "Existem outras maneiras além do sexo que o hímen pode ser rompido, como andar de bicicleta, atletismo, cavalgadas e  outras formas de atividade física atlética".

A resposta de T.I., segundo o próprio contou, foi peremptória:"Olhe, doutor, ela não monta a cavalo, não anda de bicicleta, não pratica pratica desporto. Apenas verifique o hímen, por favor, e informe-me dos resultados". 

No final da conversa, acrescentou: "Posso afirmar que, aos 18, o hímen está intacto". 

Pratica condenada pela OMS

Esta prática é altamente condenada pela Organização Mundial da Saúde (OMS):"É medicamente desnecessária e, muitas vezes, dolorosa, humilhante e traumática deve acabar... A OMS afirma que não há evidências de que qualquer método possa provar se uma mulher ou menina teve ou não relações sexuais vaginais".  

Repulsa manifestada pela atitude

A entrevista foi ao ar na passada terça-feira, 5, mas foi removida logo no dia seguinte à tarde, quarta-feira após o relato ter sido muito condenado nas redes sociais. 

"É extremamente abusivo policiar o hímen da filha e qualquer médico que participe de tal ato precisa perder a sua licença", escreveu a escritora Ijeoma Oluo.  

Jennifer Gunter, ginecologista e autora, acrescentou que "o hímen não significa nada fisicamente e os exames de hímen não são uma prática médica e são desnecessários. É apoiar um comportamento patriarcal nojento". 

Várias pessoas fizeram questão de demonstrar repulsa pelo ato. "Então, em vez de celebrar o facto de que a sua filha  viveu mais um ano, o TI gasta o seu tempo fixando-se no fato do  hímen estar ou não intacto? Isso é muito estranho e tóxico e ele precisa de ser obrigado a deixar de o fazer", escreveu uma utilizadora.



Passado na prisão

Harris cumpriu sete meses de prisão, em 2009, por comprar metralhadoras não registadas a traficantes que faziam parte de uma operação policial.  

Dois anos depois, voltou a estar dez meses preso por violar as condições de liberdade condicional sob acusações de drogas. 


Ana Patrícia Cardoso