Prepúcios de bebé à "conquista" de Hollywood
A atriz Sandra Bullock já experimentou o tratamento.

Prepúcios de bebé à "conquista" de Hollywood

Foto: AFP
A atriz Sandra Bullock já experimentou o tratamento.
Radio Latina 1 2 min. 28.11.2018

Prepúcios de bebé à "conquista" de Hollywood

A utilização da pele do pénis de crianças circuncisadas, oriunda da Coreia do Sul, é a nova coqueluche.

Leu bem. Poderia ser ficção, mas não é.

Estrelas de Hollywood como Sandra Bullock ou Kate Beckinsale renderam-se ao tratamento conhecido como EGF (Epidermal Growth Factor) e que consiste na aplicação de um sérum sobre a pele do rosto, composto por células estaminais retiradas de prepúcios de bebés sul-coreanos circuncidados.

Porém desengane-se quem possa pensar que a utilização de prepúcios é uma técnica meramente contemporânea. A utilização de prepúcios de bebés, no contexto médico e estético, remonta ao século XIX. Já em 1891, o cirurgião Peter Charles Remondino aludiu às "qualidades" desta parte do corpo no texto “A História da Circuncisão”: “Para transplantes de pele, não há nada que supere o prepúcio de um menino”. Já na cosmética, os fibroblastos existentes na pele do prepúcio são igualmente eficientes. Isto porque as proteínas existentes nesses tecidos revelam-se substancialmente mais eficazes na regeneração de células e na produção de colagénio. E no caso dos recém-nascidos, o fibroblasto encontra-se num estado puro, sem contaminações de toxinas.  Tudo isto como um denominador comum: a manutenção de um pela jovem.


Em entrevista à humorista Ellen, Sandra Bullock explicou o tratamento perante o ar incrédulo da apresentadora e as gargalhadas do público...

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.

Já Kate Beckinsale figurou no Instagram, numa publicação de "promoção" ao tratamento estético...

A indústria cosmética aposta forte

O negócio tem proliferado e no site da empresa Georgia Louise, com honorários que ascendem aos 650 dólares por tratamento, a lista de espera para consultas tem uma fila de espera que atingiu a marca dos 2 anos de espera.

A chave do tratamento é um sérum “derivado de células progenitoras do fibroblasto humano, retiradas do prepúcio de recém-nascidos coreanos”. Estas células são usadas para criar tecidos a utilizar na recuperação de vítimas de queimaduras e de diabéticos com ulcerações cutâneas. Da mesma forma, na substituição de pálpebras e em cirurgias de enxertos cutâneos.

Em 2013, a SkinMedica foi a primeira marca de cosméticos a incluir células retiradas de prepúcios de bebés nas fórmulas dos seus produtos cutâneos.

Foto: SkinMedica

Um prepúcio/milhares de dólares

No caso da Coreia do Sul, não existe qualquer legado ancestral quanto à prática da circuncisão. A prática terá sido adotada por influência das tropas norte-americanas, durante a distante Guerra da Coreia, na década de 50.

A rentabilidade do negócio dos prepúcios é notória: no livro What Your Doctor May Not Tell You About: Circumcision, publicado em 2002, o pediatra Paul M. Fleiss avançava que 30 centímetros quadrados de pele de tecido criado a partir de prepúcio de bebé podiam ser vendidos por 3 mil dólares. Ainda de acordo com o mesmo autor, um prepúcio contém material genético suficiente para desenvolver mais de 72.000 metros quadrados de pele.