Nova prisão no sul do Luxemburgo é só para homens
Radio Latina 10 min. 30.11.2022
Atualidade em síntese 30 NOV 2022

Nova prisão no sul do Luxemburgo é só para homens

Atualidade em síntese 30 NOV 2022

Nova prisão no sul do Luxemburgo é só para homens

Radio Latina 10 min. 30.11.2022
Atualidade em síntese 30 NOV 2022

Nova prisão no sul do Luxemburgo é só para homens

O Luxemburgo tem oficialmente uma nova prisão. É reservada a homens que aguardam julgamento em prisão preventiva. As mulheres na mesma situação [em previsão preventiva] vão continuar a ser encarceradas no Centro Penitenciário de Schrassig.

O Centro Penitenciário de Uerschterhaff (CPU), em Sanem, é inaugurado oficialmente esta quarta-feira, dia 30 de novembro. É a terceira prisão do Grão-Ducado e tem capacidade para 400 reclusos.

A nova prisão é contestada pela “Eran, Eraus… an Elo?” (Dentro, Fora… E Agora, na tradução em português). Esta associação defende que 85% dos detidos no Luxemburgo não deviam estar encarcerados. Argumenta ainda, baseando-se em estudos internacionais, que no Grão-Ducado, a maioria dos reclusos está detida por delitos menores como assaltos simples ou pequenos delitos relacionados com estupefacientes. Para além disso, diz que muitos detidos em Schrassig cumprem prisão preventiva, ou seja ainda não foram julgados.

A associação teme que o número de detidos preventivamente venha a aumentar consideravelmente nos próximos tempos, já que o Estado investiu mais 200 milhões de euros para construir o novo centro penitenciário.


Câmara dos Assalariados. Ajudas do Estado não vão suficientemente longe

A Câmara dos Assalariados do Luxemburgo (CSL) saúda as ajudas financeiras previstas no Orçamento de Estado para 2023 (OE2023). Considera, no entanto, que não vão suficientemente longe.

Uma das principais críticas realçadas no parecer sobre a projeto de orçamento do Governo é o facto de não haver reforma fiscal. Daí a reivindicação do organismo para que os rendimentos mais baixos tenham mais aligeiramentos fiscais. Adaptar os escalões fiscais à inflação poderia ser uma das soluções, segundo a CSL.

Frisa ainda que o Governo não prevê medidas específicas para lutar contra o risco de pobreza no Luxemburgo. Incompreensível, no seu entender, quando se sabe que o risco de pobreza junto da população que tem um emprego é de 13%.

Para além disso, a CSL quer uma revalorização do abono de família e do subsídio de vida cara.

A Câmara dos Assalariados diz ainda estar consciente de que se está a viver tempos difíceis com a guerra na Ucrânia, mas sublinhou que os últimos anos têm demonstrado que as previsões económicas são sempre mais pessimistas em comparação com a situação final.


Inundações de 2021 são as mais caras de sempre

As cheias dos dias 14, 15 e 16 julho de 2021 foram as mais graves da história do Luxemburgo e por consequência também as mais caras. Uma afirmação da ministra das Finanças, Yuriko Backes, no Parlamento.

Segundo a ministra, a maior catástrofe natural do país deixou muitas famílias e empresas em situação difícil. O apoio financeiro às vítimas custou 133 milhões de euros às seguradoras e 30,5 milhões ao Estado, num envelope total de 100 milhões de euros que o Governo ‘reservou’ para o efeito.

Yuriko Backes sublinhou ainda que as intempéries de julho de 2021 mostraram que num país pequeno, as consequências abrangem rapidamente todas as regiões. Daí o Executivo estar a analisar, em conjunto com o setor das seguradoras, os modelos de seguros possíveis, a fim de proteger da melhor forma os cidadãos.

Questionada se a criação de um “fundo para catástrofe naturais” não seria a solução adaptada para este tipo de situações, Yuriko Backes responde pela negativa, uma vez que um “fundo desse tipo necessita de uma capacidade de financiamento grande”. Uma vez que o mercado luxemburguês é pequeno, a ministra defende que o setor das seguradoras teria muitas dificuldades a assumir esses encargos.


Fraude imobiliária. Deputado Roy Reding mantém-se no partido e no Parlamento

O deputado do ADR, Roy Reding, vai manter-se no partido e também no Parlamento após ter sido condenado a prisão com pena suspensa de um ano e a uma multa de 50 mil euros por fraude na venda de um imóvel.

O comité executivo do ADR entende que o crime foi imputado ao cidadão comum Roy Reding e não ao político. Na semana passada, Reding foi condenado por ter vendido um edifício de apartamentos no bairro de Kirchberg e não ter dito ao comprador que um dos apartamentos na cave não podia ser habitado.

No fim de semana, o político anunciou a sua demissão do conselho comunal da Cidade do Luxemburgo, evocando razões pessoais. O deputado de 57 anos indicou que já não tinha energia, nem tempo, para gerir todas as suas obrigações familiares, profissionais e políticas. No entanto, mantém o seu cargo de deputado do partido nacionalista ADR no Parlamento.


Ter um seguro vai ficar mais caro no Luxemburgo

Os preços dos seguros vão aumentar no Luxemburgo. A principal razão prende-se com o aumento do preço das reparações. Uma afirmação do presidente da Associação das Companhias de Seguros, Marc Lauer, à RTL.

O responsável explica que “atualmente as seguradoras estão numa situação em que os custos dos arranjos estão a aumentar drasticamente”. Isso é válido, por exemplo, para as reparações de carros e de eletrodomésticos. As empresas têm de pagar mais pela energia e também por certas matérias-primas, o que terá como consequência o aumento do preço dos seguros.

Quando será aplicado o aumento e de quanto será o seu valor irá depender das diferentes companhias de seguros, sublinhou Marc Lauer, realçando que algumas seguradoras apontam para um aumento em dois dígitos, ou seja superior a 10%.


Construção. Maior parte das empresas exige experiência e domínio do francês

Para trabalhar na construção, é preciso falar francês e ter, em média, entre um a quatro anos de experiência. Foi pelo menos essa a realidade nos últimos anos, segundo uma análise da ADEM com base nas vagas de emprego notificadas pelas empresas entre 2019 e 2021.

Numa série de vídeos sobre as tendências do mercado de trabalho nacional, divulgados no seu site, a ADEM indica que, naquele período, 76% dos anúncios exigiam pelo menos uma experiência profissional. Entre esses anúncios, a maior fatia – 41% – pedia entre um e quatro anos de experiência, mas havia também empresas a requerer entre cinco e dez anos. Nestes casos, trata-se, sobretudo, de cargos de chefia.

Sobre as exigências linguísticas, o francês era um critério obrigatório em 93% dos anúncios. E, apesar de não constar das estatísticas, a ADEM destaca também a importância da língua portuguesa, como explica Inès Baer, responsável dos estudos sobre o mercado de trabalho do centro de emprego. Saiba mais aqui.


Violência doméstica. Mais de 60 mulheres à espera de uma vaga na casa de abrigo 

Cerca de 65 mulheres, vítimas de violência doméstica, estão atualmente inscritas numa lista de espera para integrar uma casa de abrigo para mulheres. Algumas mulheres têm de esperar um ano para ter uma vaga. A informação é avançada à RTL por Sandra Antinori, uma das responsáveis da casa para mulheres “Femmes em Détresse”. Esta responsável frisa que sempre houve lista de espera, no entanto, atualmente com a crise no alojamento, a situação piora.

Para muitas das vítimas é complicado encontrar um alojamento no mercado privado, e as listas de espera no Fundo do Alojamento também são longas. Resultado: a estadia num abrigo para mulheres prolonga-se. Segundo Sandra Antinori, em vez de ficar quatro meses numa destas estruturas, quer deveriam servir como solução transitória, as mulheres ficam até um ano.

Enquanto não houver mulheres a deixarem o refúgio, também não podem ser acolhidas outras mulheres, o que prolonga consideravelmente o tempo de espera.


N7. Radar móvel detetou 7.500 infrações em dois meses

Cerca de 7.500 infrações em pouco mais de dois meses. Milhares de condutores foram apanhados com excesso de velocidade na N7, entre 17 de agosto e 27 de outubro. O ministro da Mobilidade, François Bausch, revelou que o radar móvel de controlo de velocidade que esteve na nacional N7, entre Lipperscheid e Closdellt, detetou 7.445 infrações por excesso de velocidade durante os cerca de dois meses e dez dias em que esteve instalado naquele troço.

Na resposta a uma questão parlamentar, o ministro informa também que a maior infração detetada durante aquele período foi um condutor que circulava a 183 km/h. Note-se que, por norma e à exceção de alguns troços, o limite de velocidade máxima nas nacionais é de 90 km/h.

Recorde-se que, em agosto, um radar fixo de controlo de velocidade instalado naquela extensão da nacional foi vandalizado. A sua substituição custou cerca de 130.000 euros, de acordo com François Bausch.


Adiado o debate sobre dois dias de teletrabalho por semana para todos

Foi adiado o debate público no Parlamento sobre o teletrabalho. A discussão tinha sido agendada para esta quarta-feira, dia 30 de novembro, na sequência de uma petição pública que reivindica dois dias de trabalho remoto por semana para todos. Uma petição popular assinada por mais de 13.800 pessoas.

Numa nota divulgada no seu site, a Câmara dos Deputados indica apenas que o debate terá lugar numa data posterior, sem avançar o porquê do adiamento.

A petição em causa foi lançada por Katia Litim, que defende dois dias de ‘homeoffice’ por semana para todos os trabalhadores, sejam residentes no país ou do outro lado da fronteira.


Niederanven e Steinsel assinam “pacto da convivência”

As comunas de Niederanven e Steinsel assinaram o "pacto da convivência", com o Ministério da Família e o sindicato das comunas, Syvicol.

O número de comunas que aderiram a este pacto, conhecido como "Pakt vum Zesummeliewen", sobe para 30, sendo que nos próximos meses estão previstas adesões de mais comunas.

As comunas comprometem-se a apostar na comunicação, no acesso à informação e na participação de todas as pessoas que residem ou trabalham no seu território. 

Num comunicado, a ministra da Família e Integração, Corinne Cahen, lembra que o "pacto da convivência" foi criado em 2021 para envolver os cidadãos a nível local. Nesse sentido, a ministra apela aos estrangeiros para se inscreverem nas listas eleitorais e votar nas eleições comunais de 11 de junho de 2023.


Zelensky diz que Rússia se vinga de derrotas militares com centenas de ataques

O Presidente da Ucrânia voltou a acusar a Rússia de promover uma "vingança" contra o país devido às derrotas militares impostas por Kiev, assegurando que, numa semana, Moscovo disparou centenas de vezes contra localidades da zona de Kherson .

Segundo a agência noticiosa oficial Ukrinform, a Rússia atacou Kherson 21 vezes nas últimas 24 horas, atingindo com os seus mísseis edifícios residenciais e infraestruturas civis.

À semelhança de dias anteriores, as sirenes de alarme aéreo voltaram a ecoar por toda a Ucrânia, mas sem que fosse registado um ataque massivo.


Aviões chineses e russos entram na zona de defesa aérea da Coreia do Sul

Aviões de guerra chineses e russos entraram, esta quarta-feira, na zona de defesa aérea da Coreia do Sul, segundo anunciaram as Forças Armadas daquele país.

De acordo com a Reuters, foram mobilizados vários caças após serem detetadas as aeronaves na Zona de Identificação de Defesa Aérea da Coreia (KADIZ). Em causa estão dois aviões de guerra chineses e seis russos.

Apesar desta movimentação, as aeronaves não violaram o espaço aéreo da Coreia do Sul.


Inglaterra e Estados Unidos nos oitavos ao afastarem País de Gales e Irão

A Inglaterra, ao bater o País de Gales por 3-0, e os Estados Unidos, com um triunfo por 1-0 sobre o Irão, de Carlos Queiroz, qualificaram-se, esta terça-feira, para os oitavos de final do Mundial.

Nos oitavos, a Inglaterra vai defrontar o Senegal, que ontem venceu o Equador por 2-1.

Os Estados Unidos vão medir forças com os Países Baixos, que ontem bateram o Catar por 2-0.

Para hoje estão previstos mais quatro jogos:

Tunísia – França e Austrália – Dinamarca, às 16 horas.

Ás 20 horas, Polónia – Argentina e Arábia Saudita – México.

Redação Latina | LUSA |Foto: Administração Penitenciária do Luxemburgo



Notícias relacionadas

Pour le responsable du réseau RGTR, «cette situation est tout simplement inacceptable»
Les prix des logements connaissent une hausse croissante depuis 2015 en Europe.