Morte atribuída à AstraZeneca. Ministério Público encerra caso mas família pode recorrer ao tribunal
Radio Latina 21.09.2021
Covid-19

Morte atribuída à AstraZeneca. Ministério Público encerra caso mas família pode recorrer ao tribunal

Covid-19

Morte atribuída à AstraZeneca. Ministério Público encerra caso mas família pode recorrer ao tribunal

Foto: AFP
Radio Latina 21.09.2021
Covid-19

Morte atribuída à AstraZeneca. Ministério Público encerra caso mas família pode recorrer ao tribunal

A família da mulher que morreu após a toma da vacina da AstraZeneca pode recorrer ao tribunal para pedir indemnização. Segundo a lei, o Estado é responsabilizado nestes casos.

Apesar de o Ministério Público ter encerrado o caso da ligação comprovada entre a vacina da AstraZeneca e a morte de uma mulher de 74 anos no Luxemburgo, o  Ministério da Saúde confirma à Rádio Latina que a família pode fazer valer os seus direitos.

O Luxemburgo confirmou esta segunda-feira a primeira morte induzida pela toma da vacina contra a covid-19 da AstraZenca, agora cientificamente comprovada. A mulher de 74 anos morreu em abril passado, duas semanas após ter tomado o fármaco contra a covid-19. 

O Ministério Público decidiu encerrar o caso judicial por considerar que "não foi possível estabelecer qualquer infração penal" mas fica por saber quem assume agora a responsabilidade. Segundo as declarações do Ministério da Saúde à Rádio Latina "a família continua a ter a possibilidade de interpor uma ação em justiça afim de obter uma indemnização". Mas reitera que "o Ministério Público encerrou a investigação, não tendo estabelecido uma intenção criminal".


Luxemburgo confirma primeira morte devido a toma da vacina da AstraZeneca
A paciente de 74 anos morreu em abril passado no Grão-Ducado, duas semanas após ter tomado a vacina contra a covid-19.

Em setembro de 2020, a ministra da Saúde, Paulette Lenert, tinha garantido numa resposta parlamentar que "a indemnização pelos danos que possam ocorrer na sequência da vacinação está prevista na lei de 4 de julho de 2000". O regulamento estipula que o Estado é responsável por estes casos quando uma vacina é imposta ou recomendada pelo próprio. Assim, na morte ou incapacidade física permanente após a toma da vacina é o Estado quem tem de pagar as indemnizações.

Não se sabe para já se a família da mulher que morreu tenciona interpor uma ação em justiça. Esta foi a primeira e até à data a única morte no Grão-Ducado em que foi comprovada a ligação direta com a toma de uma vacina contra a covid-19. 

O Ministério Público concluiu que "as análises efetuadas eram compatíveis com a trombocitopenia imunológica trombótica induzida pela vacina covid-19". Outros dois casos semelhantes de mortes estão ainda a ser investigados. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

(FILES) In this file photo taken on March 24, 2021 empty vials of the AstraZeneca/Oxford vaccine are pictured at a coronavirus vaccination centre at at the Wanda Metropolitano stadium in Madrid. - Denmark on April 14, 2021 announced it would stop using the AstraZeneca Covid-19 vaccine altogether, becoming the first country to do so over suspected side effects, authorities said. (Photo by GABRIEL BOUYS / AFP)
A health worker holds a vial of the Oxford/AstraZeneca vaccine against COVID-19 amid the novel coronavirus pandemic, in Bogota on April 5, 2021. - Colombian President Ivan Duque on Sunday reinforced the curfews he recently imposed in the cities with the highest hospital occupancy to contain a new wave of covid-19 infections and deaths. (Photo by Raul ARBOLEDA / AFP)
Outgoing Dutch Minister for Internal Affairs and Kingdom Relations Kajsa Ollongren (2ndL) and Mayor of Amsterdam Femke Halsema (L), visit a polling station set up in the De Duif church in Amsterdam, on March 9, 2021, as sanitary measures were taken to ensure a safe voting amid the Covid-19 pandemic, ahead of the Netherlands general elections next week. (Photo by Koen van Weel / ANP / AFP) / Netherlands OUT