Marie-Astrid do Luxemburgo poderia ter sido a rainha de Carlos III?
Radio Latina 3 min. 12.09.2022
Realeza

Marie-Astrid do Luxemburgo poderia ter sido a rainha de Carlos III?

Marie-Astrid e o irmão Henri, atual grão-duque
Realeza

Marie-Astrid do Luxemburgo poderia ter sido a rainha de Carlos III?

Marie-Astrid e o irmão Henri, atual grão-duque
Foto: Copyright Pol Aschman/Phototheque de la ville de Luxembourg/19750719
Radio Latina 3 min. 12.09.2022
Realeza

Marie-Astrid do Luxemburgo poderia ter sido a rainha de Carlos III?

Após a morte da rainha Isabel II, muito se tem dito, por cá, sobre as ligações entre o Reino Unido e o Luxemburgo. Mas há uma pouco conhecida: o alegado ‘quase noivado’ entre a princesa Marie-Astrid do Luxemburgo e o atual rei Carlos III.

A história está num artigo do site Delano, que mostra uma fotografia da capa do jornal Daily Express, datada de 17 de junho de 1977. Na manchete lia-se “Carlos vai casar com Astrid – Oficial”. A acompanhar as letras garrafais, uma fotografia de Marie-Astrid e ainda a informação de que o noivado seria anunciado na semana seguinte e que os filhos do futuro casal seriam protestantes e as filhas católicas.

Ora, terá sido, precisamente, a questão religiosa e a ameaça de uma crise constitucional por ela provocada que terá posto um ponto final num romance que ainda nem tinha começado e que nunca foi confirmado.

De acordo com os relatos do Delano, corriam os anos 70, o príncipe Carlos aproximava-se do seu 30.º aniversário, continuava solteiro e os rumores de que acabaria sem rainha começavam a ganhar força. Um dos nomes apontados pela imprensa para subir ao altar foi o da princesa Marie-Astrid do Luxemburgo, a irmã do atual Grão-Duque Henri.

Cerca de cinco anos mais nova do que Carlos, Marie-Astrid seria, na altura, uma das poucas princesas europeias ainda solteiras. Porém, o facto de ser católica tornaria o casamento impossível, ao abrigo da lei.

Mesmo assim, os jornais da altura noticiaram essa futura união. Um dos jornalistas do Daily Express chegou mesmo a escrever que a diferença de religião seria resolvida através de uma alteração constitucional, segundo a qual os filhos do casal seriam educados de acordo com a Igreja Anglicana e as filhas segundo a fé católica. No artigo de 17 de junho de 1977, que foi capa do jornal, o repórter afirmava mesmo que o noivado formal seria anunciado pelo Palácio de Buckingham na segunda-feira seguinte.

No entanto, isso não aconteceu. Segundo o Delano, o Palácio negou várias vezes a informação, recusando-se a comentar sobre se esse noivado esteve alguma vez nos planos.

Rainha Isabel II terá ficado “encantada” com a princesa luxemburguesa

Mas a história não se fica por aqui. Três anos depois, em julho de 1980, e poucos meses antes do anúncio do noivado de Carlos e Diana, o The Washington Post voltou a destacar os rumores. Contava então que Carlos e Marie-Astrid se conheceram quando a princesa tinha 24 anos, na cerimónia de investidura de Carlos enquanto príncipe de Gales. O diário norte-americano escrevia que “foi a sua mãe, a rainha, quem alegadamente ficou “encantada” com a princesa durante uma visita da família real britânica ao Luxemburgo”. Visita essa que remonta a novembro de 1976.

Novembro de 1976, aquando da visita da família real britânica ao Luxemburgo. A princesa Marie-Astrid do Luxemburgo ao lado do pai, o Grão-Duque Jean.
Novembro de 1976, aquando da visita da família real britânica ao Luxemburgo. A princesa Marie-Astrid do Luxemburgo ao lado do pai, o Grão-Duque Jean.

O jornal acrescenta ainda que a rainha terá mesmo organizado um almoço em Bruxelas, ainda naquele ano, no qual estiveram presentes, entre outros convidados, o príncipe Carlos e a princesa Marie-Astrid. O jornal adianta, contudo, que Buckingham terá negado ou recusado a comentar esse alegado encontro.

Na altura, os rumores terão provocado uma forte oposição por parte de vários nomes protestantes, incluindo o do líder religioso e ativista Ian Paisley. Segundo o Washington Post, citado pelo Delano, Paisley terá mesmo exigido à primeira-ministra da altura, Margaret Thatcher que se pronunciasse publicamente sobre o assunto, prevendo uma “crise constitucional e o caos, caso Carlos casasse com uma princesa católica e não abdicasse do seu direito ao trono.

Carlos acabaria por casar com Diana Spencer, em 1981, e mais tarde, com Camilla Parker Bowles, em 2005. Já Marie-Astrid casou com Charles-Christian da Áustria, em 1982. O casal tem cinco filhos e vive na Suíça.

Diana Alves

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Marie-Astrid e o irmão Henri, atual grão-duque