Linha Aberta. “Estamos cá para fazer a nossa parte. Vamos todos votar”
Radio Latina 12.01.2023
Comunais 2023

Linha Aberta. “Estamos cá para fazer a nossa parte. Vamos todos votar”

Comunais 2023

Linha Aberta. “Estamos cá para fazer a nossa parte. Vamos todos votar”

Radio Latina 12.01.2023
Comunais 2023

Linha Aberta. “Estamos cá para fazer a nossa parte. Vamos todos votar”

As eleições comunais de junho estiveram em debate no Linha Aberta, o programa de opinião da Rádio Latina.

64 mil portugueses que preenchem os requisitos para votar nas comunais de 11 de junho, mas que ainda não se recensearam. Neste momento, a taxa de inscritos, entre os portugueses, é de 15,4%.

No primeiro Linha Aberta de 2023, ano de eleições, dedicámos o programa àquelas que serão as primeiras autárquicas luxemburguesas sem cláusula de residência obrigatória para os estrangeiros.

Ricarda Ferraz vive no Luxemburgo há muitos anos. Desde que pode, sempre votou e considera que esse é um dever e um direito que não devemos menosprezar.

Já Hugo Pinto, residente no Luxemburgo há 25 anos, não está recenseado nem tenciona fazê-lo. A razão? O voto obrigatório.

Lembramos que, para os inscritos nos cadernos eleitorais, o voto é obrigatório, com algumas exceções, como por exemplo pessoas com mais de 75 anos de idade. A lei prevê multas que começam nos 100 euros e acabam nos 1.000, em caso de reincidência. No entanto, a última multa remonta aos anos 1960.

De referir também que qualquer pessoa pode pedir para votar antecipadamente, se cumprir os respetivos prazos. Os eleitores podem também pedir para serem retirados dos cadernos eleitorais. Para isso têm de fazer um pedido por escrito ao colégio de burgomestres e vereadores, enviando também uma cópia do bilhete de identidade ou passaporte.

Artigo: Diana Alves | Foto: Steve Eastwood


Notícias relacionadas

Visite du secrétaire d’État portugais José Luís Carneiro au Luxembourg, le 30 Septembre 2018. Photo: Chris Karaba
A vereadora de origem cabo-verdiana foi a candidata mais votada em Larochette.