Instituto de Moda de Nova Iorque desculpa-se por desfile 'claramente racista'
Radio Latina 21.02.2020

Instituto de Moda de Nova Iorque desculpa-se por desfile 'claramente racista'

Instituto de Moda de Nova Iorque desculpa-se por desfile 'claramente racista'

DR
Radio Latina 21.02.2020

Instituto de Moda de Nova Iorque desculpa-se por desfile 'claramente racista'

As modelos tiveram de usar “orelhas prostéticas, lábios e sobrancelhas grossas” que estão diretamente ligados a estereótipos raciais.

A coleção foi apresentada por Junkai Huang, um estudante de Moda, na Semana de Moda de Nova Iorque, que decorreu este fevereiro. 

Segundo a BBC, as modelos tiveram de usar “orelhas prostéticas, lábios e sobrancelhas grossas”, em clara associação a questões raciais. 

Amy Lefevre, uma modelo afro-americana, recusou usar os acessórios "claramente racistas" por sentir-se desconfortável com a conotação. Segundo a modelo, foi-lhe dito que estava "tudo bem sentir-se desconfortável por 45 segundos". 

No Instagram, a modelo agradeceu pelo apoio que tem recebido desde que denunciou a situação. 

Joyce F Brown, a presidente do Instituto de Tecnologia da Moda emitiu uma declaração em que disse que o assunto estava a ser investigado. Afirmou também que "não parecia que a intenção original do design, o uso de acessórios ou a direcção criativa do espectáculo fosse fazer uma declaração sobre a raça. No entanto, é agora evidente que foi o resultado". 

Brown pediu desculpa aos envolvidos "e a qualquer pessoa que tenha sido ofendida pelo que viu". 

O mercado parece estar mais atento a estas questões. No último ano, algumas marcas importante como a Gucci, Prada e Dior foram obrigadas a descontinuar produtos ou campanhas de publicidade por serem consideradas ofensivas.