Grão-Duque defende Maria Teresa. "É uma mulher de causas e uma mãe dedicada"
Radio Latina 2 min. 27.01.2020 Do nosso arquivo online

Grão-Duque defende Maria Teresa. "É uma mulher de causas e uma mãe dedicada"

Grão-Duque defende Maria Teresa. "É uma mulher de causas e uma mãe dedicada"

Foto: Chris Karaba/Luxemburger Wort
Radio Latina 2 min. 27.01.2020 Do nosso arquivo online

Grão-Duque defende Maria Teresa. "É uma mulher de causas e uma mãe dedicada"

O primeiro-ministro, Xavier Bettel, recebeu na sexta-feira passada o relatório do investigador independente Jeannot Waringo sobre a gestão do pessoal da casa grã-ducal. Hoje, foi a vez do Grão-Duque Henri reagir à polémica, defendendo a Grã-Duquesa Maria Teresa, que há uma semana está debaixo do fogo.

É a carta de um homem que defende a mulher das acusações de intangibilidade. O Grão-Duque Henri descreve a Grã-Duquesa como "uma mãe dedicada e uma mulher de causas". Na carta aberta que chegou hoje às redações, o soberano questiona:

"Porquê atacar uma mulher? Uma mulher que sempre defendeu outras mulheres? Uma mulher, a quem não se dá oportunidade de se defender?". As palavras foram escritas no domingo, em Genebra, na Suíça, onde o cunhado, irmão da Grã-Duquesa Maria Teresa, está internado nos cuidados intensivos.

O soberano sublinha que "foi num espírito de abertura, de transparência e modernidade que aceitou que a gestão do pessoal da casa real fosse escrutinada por um investigador nomeado pelo primeiro-ministro". No entanto, lamenta a publicação de alguns artigos que, frisa, "põem em causa de forma injusta a Grã-Duquesa Maria Teresa, mãe de cinco filhos e avó dedicada". De acordo com Henri "esta situação faz sofrer toda a família".

Na missiva, o soberano retrata o percurso e os combates da Grã-Duquesa, sublinhando "que está orgulhoso do empenho, inteligência e energia investidos em todas as suas ações".

O Grão-Duque afirma que vai "continuar a servir o Luxemburgo, sobretudo neste momento crucial em que os filhos estão a começar uma vida de família", numa alusão ao filho mais velho Guillaume, herdeiro ao trono, que espera um filho com a princesa Stéphanie, cujo nascimento está previsto para maio.

Com esta afirmação, Henri descarta a possibilidade, avançada por alguns órgãos de comunicação social, de abdicar do trono, aquando da apresentação do relatório Waringo.

O relatório foi realizado a pedido do primeiro-ministro, Xavier Bettel, após um artigo publicado no site de informação Reporter.lu sobre as demissões consecutivas de funcionários na casa real. 

O jornal 'online' avançou, na altura, que mais de 30 pessoas deixaram de trabalhar para a família grã-ducal desde 2015. Estas mudanças terão levado, segundo o jornal, o governo a nomear Jeannot Waringo como representante especial do primeiro-ministro, com a responsabilidade de rever a política de contratações do Palácio Grão-Ducal.

Na semana passada, outro jornal, o Lëtzebuerger Land divulgou alguns pormenores do relatório que até agora não foi apresentado. O jornal afirmara que o "grande problema" é a Grã-Duquesa. Segundo a publicação, Maria Teresa faz o que quer e que lhe apetece, sem prestar contas a ninguém. "Ninguém tem controlo sobre a Grã-Duquesa Maria Teresa, nem o marechal, nem o Grão-Duque, nem o pessoal", escreveu o Land.

Susy Martins


Notícias relacionadas

Relatório Waringo. Uma pedra no sapato da realeza

Luxemburgo por Ana Patrícia CARDOSO 4 min. 05.02.2020
Grã-Duquesa Maria Teresa.