Funcionário do Ministério da Saúde tenta falsificar CovidCheck
Radio Latina 4 min. 12.11.2021 Do nosso arquivo online
Atualidade em síntese 12 NOV 2021

Funcionário do Ministério da Saúde tenta falsificar CovidCheck

Com a aplicação CovidCheck.lu qualquer residente pode verificar código QR do passe sanitário. (foto: John Schmit)
Atualidade em síntese 12 NOV 2021

Funcionário do Ministério da Saúde tenta falsificar CovidCheck

Com a aplicação CovidCheck.lu qualquer residente pode verificar código QR do passe sanitário. (foto: John Schmit)
Radio Latina 4 min. 12.11.2021 Do nosso arquivo online
Atualidade em síntese 12 NOV 2021

Funcionário do Ministério da Saúde tenta falsificar CovidCheck

Foi suspenso das suas funções.

Procurava o comprovativo de um teste de rastreio à covid-19 falso e foi suspenso das suas funções. O caso envolve o Ministério da Saúde já que se trata de um dos seus funcionários. 

Um trabalhador que, segundo o jornal Lëtzebuerger Land, ocupa um cargo de responsabilidade no Ministério da Saúde.O funcionário público, cuja identidade não é revelada, não está vacinado, e para ter acesso ao CovidCheck, exigido nas administrações públicas, pediu a um dos seus colegas do ministério para que lhe falsificar o comprovativo de um teste PCR, com resultado negativo em seu nome. 

Este último não só recusou o pedido como informou o Diretor da Saúde, Jean-Claude Schmit, do sucedido. Schmit optou pela suspensão de funções do funcionário em questão e alertou o Ministério Público que poderá decretar a abertura de um processo judicial.

Até 18 de dezembro, as empresas, tanto do setor público como do privado, podem, se assim o desejarem, exigir aos seus trabalhadores o CovidCheck. O que para os não vacinados implica pagar do próprio bolso testes de diagnóstico à covid-19 certificados por um profissional de saúde para ir trabalhar. Em caso de recusa, os trabalhadores podem não receber ordenado e arriscam até o despedimento. 

Recordista Brasil carimba qualificação para Mundial22

O Brasil está na fase final do campeonato do mundo de futebol de 2022. Venceu hoje a Colômbia, por 1-0, em São Paulo, na 13.ª jornada da zona sul-americana de qualificação.

O Brasil é recordista de vitórias em campeonatos do mundos de futebol. Conquistou cinco troféus (1958, 1962, 1970, 1994 e 2002).

O Mundial de 2022 joga-se no Catar, de 21 de novembro a 18 de dezembro.

Luxemburgo suspense Skipevax para menores de 30 anos

A vacina da Moderna não está a ser administrada nos residentes com menos de 30 anos de idade.

A decisão da ministra da Saúde, Paulette Lenert, não foi anunciada em conferência de imprensa, mas dada numa resposta parlamentar. Lenert diz que prefere aplicar "o princípio da precaução", mas que “para já, a Agência Europeia de Medicamentos “não emitiu nenhuma restrição da vacina com base na idade”.

A medida de precaução surge numa altura em que os países vizinhos Alemanha e França também restringiram este fármaco, depois de detetados vários casos de miocardite e pericardite. Um estudo da Alta Autoridade de Saúde francesa conclui que a vacina da Moderna aumenta ligeiramente o risco de inflamações no coração nesta faixa etária. 

“Bem bom” ter cinema português no Grão-Ducado

O Festival de Cinema Português está de regresso ao Luxemburgo. A décima segunda mostra cinematográfica de produções lusas começa hoje e prolonga-se até dia 19, com a exibição de seis filmes e quatro curtas-metragens.

“Bem Bom” é a película de estreia do certame deste ano. O filme sobre a carreira da ‘girls band’ portuguesa Doce, é exibido às 19h desta sexta-feira, no Utopia, em Limpersberg.

Cimeira do clima sem fim à vista

A falta de consenso pode adiar o fim da cimeira do clima. Devia terminar esta sexta-feira em Glasgow, mas por não haver consenso sobre o texto final deverá prolongar-se pelo fim de semana.

Mais de 120 líderes políticos e milhares de especialistas, ativistas e decisores públicos estiveram no Reino Unido nas duas últimas semana para atualizar os contributos dos países para a redução das emissões de gases com efeito de estufa até 2030.

O primeiro-ministro, Xavier Bettel, foi um dos líderes de Governo a discursar neste encontro mundial e manifestou-se contra a energia nuclear. Uma energia que, segundo o líder do Executivo, não é segura nem sustentável.

O país não tem centrais nucleares ao contrário dos países vizinhos. A central mais próxima é a francesa de Cattenom. Em caso de acidente nuclear naquela central, o Grão-Ducado poderia ser riscado do mapa.

A conclusão científica é há muito conhecida e levou, há uns anos, o Luxemburgo a propor ajuda financeira à França em troca do fecho da central de Cattenom.

Mas a França, através do seu presidente Emmanuel Macron, anunciou esta semana que vai continuar a apostar nessa tecnologia, no caso em mini-reatores nucleares.

Pandemia arrasta-se devido a falta de vontade política

A Organização Mundial de Saúde (OMS) culpa a falta de solidariedade política pelao facto de a pandemia ainda não ter acabado.

A OMS acredita que a pandemia "terminará quando o mundo decidir que terminará". Nesta altura, há "falta vontade política".

O organismo insta os governos à partilha de vacinas com os países mais pobres.


Notícias relacionadas