Ex-alunas de James Franco processam ator por assédio sexual
Radio Latina 2 2 min. 04.10.2019 Do nosso arquivo online

Ex-alunas de James Franco processam ator por assédio sexual

Ex-alunas de James Franco processam ator por assédio sexual

AFP
Radio Latina 2 2 min. 04.10.2019 Do nosso arquivo online

Ex-alunas de James Franco processam ator por assédio sexual

Esta não é a primeira vez que o ator é alvo de acusações desta natureza por parte de antigas estudantes.

Duas ex-alunas de James Franco avançaram, esta quinta-feira, 3 de outubro, com um processo contra o ator e realizador, por assédio sexual e discriminação.

Segundo a revista norte-americana Hollywood Reporter, Sarah Tither-Kaplan e Toni Gaal alegam que, durante as aulas do curso de representação dado por James Franco, em 2014, em Hollywood, o ator pressionava os alunos a praticarem atos de nudez e relações sexuais, prometendo futuras oportunidades em filmes que viesse a dirigir.

As ex-alunas dizem ainda que nas aulas de nível mais avançado, onde se incluíam as de representação de cenas de sexo e que eram dadas pelo ator, James Franco removia a proteção dos órgãos genitais das mulheres e enfurecia-se sempre que alguma das alunas se recusava a fazer topless. Toni Gaal, uma das que avançou com o processo, refere ter sido impedida de participar numa das aulas, depois de manifestar o seu desconforto em relação a algumas situações do género.

Advogado ator desmente acusações

O advogado de James Franco, neste processo, já veio a público desmentir as declarações das duas ex-alunas. 

Num comunicado enviado ao mesmo jornal, o representante do ator, afirmou que não é a primeira vez que Franco é alvo deste tipo de acusações, sublinhando que as mesmas "já foram desmascaradas". Sobre as atuais denúncias, o advogado sustentou que se trata de uma forma de as queixosas obterem promoção à custa de James Franco e garantiu que o ator vai defender-se na justiça e pedir uma indemnização.

Escândalos antigos

Em 2018, cinco mulheres - quatro delas ex-alunas, incluindo uma das queixosas do atual processo (Sarah Tither-Kaplan) - acusaram James Franco de assédio sexual e de as pressionar para fazerem cenas de nudez.  As acusações foram feitas, no Twitter, depois de o ator ter recebido um Globo de Ouro pelo seu filme 'Um Desastre de Artista'. 

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.

Durante a cerimónia de entrega do prémio, James Franco usou um pin de apoio ao movimento Time's Up, um movimento com personalidades de Hollywood que se associou ao #MeToo para incentivar a denúncia e o combate ao assédio sexual. 

O facto de o ator ter usado esse pin fez com que aquelas mulheres o acusassem de hipocrisia, denunciando os alegados abusos a que as teria sujeitado.

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.

Franco desmentiu as acusações publicamente, no programa 'Late Show' de Stephen Colbert (video em cima), afirmando que as declarações não eram "corretas", mas que mesmo assim continuava a manifestar o seu "apoio" àquele movimento, considerando importante as pessoas "denunciarem [as situações] e poderem ter uma voz, porque não a tiveram durante muito tempo".