Encontrada uma das mulheres que não deixou Ronaldo passar fome
Radio Latina 3 2 min. 19.09.2019

Encontrada uma das mulheres que não deixou Ronaldo passar fome

Encontrada uma das mulheres que não deixou Ronaldo passar fome

Radio Latina 3 2 min. 19.09.2019

Encontrada uma das mulheres que não deixou Ronaldo passar fome

O craque português contava com a ajuda das funcionárias do MacDonald's quando vivia com a família, na Madeira.

A história do possível reencontro começou quando Cristiano Ronaldo deu uma entrevista a Piers Morgan para o programa "Good Morning Britain" da ITV, no início da semana. 

O craque demonstrou que, apesar de ter chegado ao topo da carreira, ter sido considerado um dos maiores de sempre do futebol, não esqueceu os dias de miséria que passou. A família Aveiro, que vivia na Madeira, sempre foi uma família humilde e, quando estava apenas a começar, Ronaldo teve de contar com a bondade alheia para poder comer. 

"Tínhamos fome. Havia um McDonald's ao lado do estádio, batíamos à porta e pedimos para ir comer um hambúrguer. Estavam lá sempre a Edna e duas outras meninas. Nunca mais as encontrei. Perguntei por elas em Portugal, mas entretanto fecharam o McDonalds. Mas se esta entrevista puder ajudar a encontrá-las, ficaria muito feliz. Quero convidá-las para irem a Turim ou a Lisboa jantar comigo. Quero dar algo em troca".

Paula Leça nem queria acreditar quando soube que Ronaldo procurava estas que que não o deixaram passar fome. Ela, afinal, era uma delas.   

A Renascença entrou em conctato com Paula e esta confirmou a história. 

"Ainda estou a achar graça. Já tinha contado ao meu filho... que achava que era mentira, porque a mãe dele nunca na vida poderia ter dado um hambúrguer ao Cristiano Ronaldo. O meu marido já sabia, foi algumas vezes buscar-me lá à noite e também viu. É engraçado que se volte atrás no tempo... Mostra a humildade dele. Só falta o jantar? OK', se chegar chegou. Pelo menos as pessoas sabem que isto não era uma invenção. Se vier o convite, lá estarei com certeza. A primeira coisa será agradecer e, no jantar, teremos tempo para recordar esse tempo", afirmou Paula. 

Relembrou ainda os tempos em que os miúdos apareciam para comer e Ronaldo era o mais tímido. "Apareciam à frente do quiosque, como quem não quer a coisa, e quando havia hambúrgueres a mais a nossa gerente dava-nos autorização para cedê-los. Um deles era o Cristiano, que por acaso era o mais tímido. Era assim que acontecia quase todas as noites da semana. Ele não era sempre o que pedia, ficava até para trás".



Notícias relacionadas