Elvis. O 'Rei do Rock' morreu há 42 anos
Radio Latina 1 3 min. 16.08.2019

Elvis. O 'Rei do Rock' morreu há 42 anos

Elvis. O 'Rei do Rock' morreu há 42 anos

Foto: DR
Radio Latina 1 3 min. 16.08.2019

Elvis. O 'Rei do Rock' morreu há 42 anos

São esperadas 20 mil pessoas em Memphis, EUA, para celebrar a memória do ídolo.

A imagem de Elvis continua presente no imaginário cultural, como uma das mais icónicas, mesmo quatro décadas depois da sua morte. 

A 16 de agosto de 1977, o mundo chorava o desaparecimento do astro e a famosa mansão de Graceland, em Memphis, no Tennessee, EUA, enchia-se de fãs em luto. Segundo as autoridades locais, são esperadas cerca de 20 mil pessoas em frente à mansão para lembrar o ídolo. 

A carreira do cantor foi tudo menos linear. Começou muito cedo, aos 19 anos, muito incentivado pela mãe Gladys que o acompanhou toda a vida. Foi ela que o convenceu a pedir uma guitarra para o aniversário e quando Elvis gravou, pela primeira vez, foi com o intuito de oferecer uma música à mãe. 

Com "Heartbreak Hotel", o jovem atingia o sucesso repentino e tornava-se o ídolo das jovens da década de 1950. Com um estilo próprio e uma voz que se assemelhava às vozes negras da 'soul', ninguém se parecia com ele, ninguém tinha soado como ele antes. Elvis criou 'Elvis, Rei do Rock' e essa imagem perdura até hoje.

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.

Durante as décadas de 1950, 1960 e 1970 reinventou-se várias vezes. Com sucessos atrás de sucessos, tornou-se adorado e imitado por milhões. 

No entanto, acabou por entrar em decadência e tornou-se uma caricatura de si próprio. E, para isso, contribuiu muito a relação de dependência com drogas. 

Vício em medicamentos

O gosto de Elvis por medicamentos prescritos começou no início dos anos 1960. Apesar de ter experimentado drogas ilegais, os remédios tornaram-se parte integrante do seu quotidiano.  

Com uma agenda de trabalho sem folgas estabelecida por seu empresário, o 'Coronel' Tom Parker, Elvis passou a contar com anfetaminas para conseguir aguentar-se e barbitúricos para dormir à noite. 

A escala de trabalho que Parker lhe impunha era punitiva: fez um espetáculo a cada dois dias, de 1969 até junho de 1977, e uma média de três álbuns por ano.

Presley terá tomado uma lista considerável de medicamentos: Dilaudid, Percodan, Placidyl, Dexedrina, Bifetamina, Tuinal, Desbutal, Eskatrol, Amobarbital, Carbrital, Seconal, Metadona e Ritalina até ao fim da vida.  

Em 1977, desmaiou no chão de uma das casas de banho de Graceland. O 'Rei' teve um ataque cardíaco como resultado dos muitos problemas de saúde relacionados com esta dependência.

Gosto por adolescentes 

Com a popularidade a crescer, Elvis começou a ter hábitos estranhos como preferir rodear-se de jovens mais novas (18 anos já era demasiado velhas) e, se possível, virgens. No livro "Baby, Let's Play House", Alannah Nash escreve que e "ele sentia-se inseguro sobre sua habilidade sexual e queria virgens que não tivessem com quem compará-lo como amante".  Acrescenta ainda " que ele gostava de moldá-las e orientá-las, e elas faziam tudo por ele porque o amavam. Ele não se preocupava que um caso com uma menor 'pudesse acabar na prisão'". 

A verdade é que quando Elvis conheceu Priscilla Beaulieu (74 anos), a futura mulher, em 1959, ela tinha apenas 14 anos. O cantor tinha 24. Casaram oito anos mais tarde, a um de maio de 1967, em Las Vegas. 

Foto: Divulgação

Priscilla admitiu na biografia "Elvis and Me", em 1985, que foi Elvis que a mudou completamente para esta ficar ao seu gosto. Quando lhe perguntam sobre a diferença de idades entre os dois, a ex-mulher disse apenas que "era um mundo diferente".

O nascimento de sua filha Lisa-Marie poucos meses após o casamento, fez com que o cantor perdesse o interesse por Priscilla e acabaram por divorciar-se em 1973. 

Elvis no ecrã

Tal como Freddie Mercury e Elton John, também Elvis terá a vida retratada no grande ecrã. O filme biográfico vai ser escrito e realizado por Baz Luhrmann.  O filme vai acompanhar o percurso de Presley desde os tempos de guerra até ao estrondoso sucesso e à morte prematura aos 42 anos e o ator que vai interpretar o cantor será Austin Butler. 

Ver esta publicação no Instagram

“You have made my life complete, and I love you so”

Uma publicação partilhada por Austin Butler (@austinbutler) a

As gravações vão decorrer na Austrália a partir do início de 2020. A data de lançamento será a um de Outubro de 2021.