Cerca de 70 artistas no 8° ARTSmanif
Radio Latina 18.02.2020

Cerca de 70 artistas no 8° ARTSmanif

ARTSmanif 2018

Cerca de 70 artistas no 8° ARTSmanif

ARTSmanif 2018
Foto: Viktor WITTAL
Radio Latina 18.02.2020

Cerca de 70 artistas no 8° ARTSmanif

O Encontro das Artes Contemporâneas, ARTSmanif, faz oito anos.

Conhecido como “o irmão mais novo” do Salão do Livro do Festival das Migrações, das Culturas e da Cidadania, a edição deste ano do ARTSmanif apresenta cerca de 70 artistas, que vão divulgar os seus trabalhos no certame, entre 28 de fevereiro e 1 de março, na LuxExpo, em Kirchberg.

- Cerca de 70 pintores, escultores, fotógrafos e artesãos de diversos países vão marcar presença no 8° Encontro das Artes Contemporâneas do Festival das Migrações.

Criado em 2013, o ARTSmanif é o mais novo salão deste festival inter-cultural, onde artistas plásticos do Grão-Ducado, da Grande Região e de outros países encontram uma montra para mostrar as suas obras, algumas delas que nunca saíram do anonimato dos seus ateliês.

Entre os artistas lusófonos, destacamos Paulo Lobo. O chefe de redação da revista “Wunnen” e fotógrafo português é autor de “Terra de Vida”, exposição e foto-blogue homónimo dedicado aos portugueses do Luxemburgo, e fez várias exposições individuais no Luxemburgo e em Portugal.

Na pintura, o luxemburguês de origem cabo-verdiana Nelson Neves volta a marcar presença em mais uma edição, com os seus quadros figurativos e abstratos. Nelson Neves, assinala este ano 20 anos de carreira e depois do Festival das Migrações tem prevista uma exposição no ‘Espaço H2O’, em Differdange, onde fará uma retrospetiva do seu trabalho.

Lucinda Luís, Sérgio António da Costa Pereira, Nuno Joaquim Cardoso Quintino ou Eduarda Almeida são outros 70 dos artistas do salão ARTSmanif, incluído do Festival das Migrações, das Culturas e da Cidadania.

HB / Redação Latina


Notícias relacionadas

Quando a arte é uma terapia

Cultura por Henrique DE BURGO 3 min. 17.09.2018
Quadros de Nelson Neves, da coleção "Evolução".
Nelson Neves
Nelson Neves tem apostado ultimamente nas telas abstractas