Brad Pitt sobre o álcool. "Valorizo os erros porque levaram a alguma sabedoria"
Radio Latina 4 min. 03.12.2019

Brad Pitt sobre o álcool. "Valorizo os erros porque levaram a alguma sabedoria"

Brad Pitt sobre o álcool. "Valorizo os erros porque levaram a alguma sabedoria"

Radio Latina 4 min. 03.12.2019

Brad Pitt sobre o álcool. "Valorizo os erros porque levaram a alguma sabedoria"

O ator conversou com o amigo e colega Anthony Hopkins sobre a luta que ambos viveram com a bebida.

Brad Pitt e Anthony Hopkins deram uma entrevista conjunta para a revista Interview e discutiram tudo desde a vontade de chorar, os erros do passado e como "fuck it" ('que se lixe') é a melhor prece do mundo. 

Os atores conhecem-se há décadas e trabalharam juntos duas vezes, nos anos 1990. Primeiro, em 'Lendas de Paixão', 1994, e em 'Meet Joe Black', 1998, no qual Pitt interpreta a 'Morte' durante umas férias entre os mortais.  

Ambos estão a promover trabalhos. Pitt está em dois filmes que já são apontados para os Óscares: 'Once Upon a Time in Hollywood', de Quentin Tarantino, e o filme experimental espacial do autor James Gray, 'Ad Astra'. 

Anthony Hopkins será um papa no filme 'Dois Papas', que estreia em breve nas salas de cinema e na Netflix. 

Com anos de amizade, as duas estrelas de Hollywood não sentiram constrangimento em falar sobre temas mais sensíveis, nomeadamente a luta com o álcool vivida pelos dois. 

Em setembro, numa entrevista ao New York Times, Pitt admitiu que após o atribulado divórcio da também atriz Angelina Jolie, decidiu realmente lidar com o problema com o álcool que mantinha há décadas. 

Esse caminho levou-o a um tratamento de 18 meses no Alcoólicos Anónimos, experiência que admite ter sido transformadora. "Eu levei as coisas o mais longe que pude, por isso, decidi parar. Quando chego lá, tive homens sentados por à minha frente a serem o mais abertos e honestos possível de uma maneira que eu nunca ouvi". 

A estrela de Hollywood sentiu que tinha ali um porto seguro. "Havia pouco julgamento, e portanto pouco julgamento de si mesmo. Foi realmente libertador poder expor os lados mais feios de mim mesmo". 

Ainda assim, ainda luta com isso. "Percebo agora, como um verdadeiro ato de perdão para mim mesmo por todas as escolhas que fiz e das quais não me orgulho, que valorizo esses passos errados porque eles levaram a alguma sabedoria. Não podes ter um sem o outro." 

Pitt recordou como Hopkins lhe disse que tinha "largado" a bebida quando filmavam "Meet Joe Black". Hopkins assume que fez "algumas coisas muito más. Mas foi tudo por uma razão, de certa forma. E é estranho olhar para trás e pensar: 'Deus, eu fiz todas essas coisas? Mas é como se houvesse uma voz interior que diz: 'Acabou'. Feito. Siga em frente".

Pitt concordou com a atitude de Hopkins de "abraçar" erros, algo que o ator "Ad Astra" diz que a sociedade não faz o suficiente. "Acho que vivemos numa época em que somos extremamente críticos e rápidos a tratar as pessoas como descartáveis", acrescentou.  

"Sempre demos grande importância ao erro. Mas o próximo passo, o que você faz depois do erro, é o que realmente define uma pessoa. Todos nós vamos cometer erros. Mas qual é o próximo passo? Nós, como cultura, não parecemos ficar por aqui para ver qual é o próximo passo dessa pessoa. E essa é a parte que eu acho muito mais revigorante e interessante".  

O choro

A certa altura durante a conversa, Pitt acaba por revelar que é conhecido pela dificuldade em mostrar emoção. "Eu sou muito famoso por não chorar". 

No entanto, alguma coisa mudou, admite o ator de 55 anos. "Eu não chorava há 20 anos e nestes últimos tempos sinto que tudo me comove.  Fico comovido pelos meus filhos, pelos amigos, pelas notícias. Apenas comovido. Acho que é um bom sinal. Não sei para onde vai, mas acho que é um bom sinal". 

Hopkins, 81 anos, disse que tudo o comove. "Vais descobrir, à medida que envelheces, que só queres chorar", disse. "É sobre a glória da vida". 

"Fuck it" (Que se lixe)

Pitt lembra-se de ouvir Hopkins dizer esta expressão vezes sem conta, durante as filmagens de 'Lendas de Paixão'. 

O ator que eternizou a personagem de 'Hannibal' no cinema explica porquê. "Uma vez perguntei a um padre jesuíta: 'Qual é a oração mais curta do mundo?' Ele disse: 'Que se lixe'. É a oração de lançamento. Basta dizer: 'Que se lixe'. Nada disso é importante. O importante é aproveitar a vida como ela é. A vida hoje é fantástica."


Ana Patrícia Cardoso 



Notícias relacionadas