Escolha as suas informações

WhatsApp vai partilhar com Facebook números de telefone dos seus utilizadores
Economia 2 min. 25.08.2016 Do nosso arquivo online
Redes sociais

WhatsApp vai partilhar com Facebook números de telefone dos seus utilizadores

Redes sociais

WhatsApp vai partilhar com Facebook números de telefone dos seus utilizadores

AFP
Economia 2 min. 25.08.2016 Do nosso arquivo online
Redes sociais

WhatsApp vai partilhar com Facebook números de telefone dos seus utilizadores

O WhatsApp anunciou hoje que vai partilhar com o Facebook o número de telefone dos seus utilizadores, assim como a informação sobre a frequência de utilização da aplicação do serviço de mensagens instantâneas.

O WhatsApp anunciou hoje que vai partilhar com o Facebook o número de telefone dos seus utilizadores, assim como a informação sobre a frequência de utilização da aplicação do serviço de mensagens instantâneas.

Este serviço de mensagens, que é detido pelo Facebook desde 2014, anunciou a mudança nos termos de uso e política de privacidade, que passa a contemplar a troca de informação entre o WhatsApp e a rede social.

"Como uma empresa subsidiária do Facebook, nos próximos meses iremos começar a partilhar informação que nos permita coordenar melhor e com isso melhorar a experiência entre os serviços. Esta é uma prática típica entre as empresas que são adquiridas por outras", acrescentou o WhatsApp em comunicado.

Com esta mudança de política, a rede social passa a ter acesso ao número de telefone de cada utilizador para verificar a sua conta de WhatsApp, assim como os dados sobre a frequência de utilização da aplicação, entre eles, a última hora de conexão.

De acordo com a empresa, a partilha desta informação tem vários objetivos: melhorar a eficácia publicitária com anúncios que sejam mais relevantes para os utilizadores do Facebook e sugestões para estabelecer ligações com outras pessoas conhecidas e também para combater os abusos e mensagens não desejadas no WhatsApp.

A aplicação de mensagens instantâneas reconhece que outras empresas subsidiárias do Facebook, como o Instagram, podem usar a informação do WhatsApp para "atividades diversas", como sugerir contas a seguir.

Os utilizadores do serviço de mensagens podem recusar que os seus dados sejam utilizados para "melhorar experiências relativas a anúncios e produtos", mas não que o Facebook conheça o número de telefone e os seus padrões de atividade no WhatsApp.

"De momento, não temos planos de partilhar com o Facebook outra informação opcional", como o estado, nome e foto do perfil do utilizador, e "muito menos guardamos as mensagens assim que são entregues", salienta a empresa, que insiste que, apesar da partilha de dados, vai continuar a funcionar "como um serviço independente".

Adiantou também que as mensagens encriptadas continuam a ser privadas e que a empresa não irá vender ou partilhar o número de telefone dos utilizadores com os anunciantes.

Os clientes do WhatsApp vão receber a partir de hoje uma notificação com os novos termos de privacidade, momento a partir do qual dispõem de 30 dias para aceitar caso pretendam continuar a utilizar a aplicação.

Esta é a primeira mudança de política de privacidade em quatro anos e, segundo o serviço WhatsApp, estas alterações resultam dos seus planos de alternativas de comunicação entre utilizadores e empresas nos próximos meses.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A plataforma WhatsApp, propriedade da rede social Facebook, confirmou hoje que passa de 13 para 16 anos a idade mínima para os utilizadores poderem fazer o registo na Europa.
O Facebook anunciou hoje que anulou uma operação internacional cujos membros divulgavam a palavra "gosto" e falsos comentários nas contas de utilizadores para garantir contactos e inundá-los de seguida com mensagens indesejáveis.
US-Heimatschutzminister John Kelly hatte schon Anfang Februar in einer Anhörung vor dem Senat gesagt, dass Einreisende möglicherweise künftig nach Passwörtern ihrer Profile in sozialen Netzwerken gefragt werden könnten.
O Facebook começou a testar na quinta-feira uma série de ferramentas opcionais para que os utilizadores, depois do fim de um relacionamento, possam limitar as suas interacções com os/as seus/suas ex-companheiros/as na rede social.
A man is silhouetted against a video screen with a Facebook logo as he poses with a Samsung S4 smartphone in this file photo illustration taken in the central Bosnian town of Zenica August 14, 2013. One in two Americans worry that Internet companies are encroaching too much upon their lives, uneasy about Facebook's and Google's ability to gather their personal data, as the companies delve deeper into novel areas such as smart home appliances and drones. REUTERS/Dado Ruvic/Filers  (BOSNIA AND HERZEGOVINA - Tags: BUSINESS TELECOMS)